Fundo Turístico de Lisboa “dá” 18,2M€ para seis projectos na cidade

Os projectos aprovados pelo Comité do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa, que integra representantes da Câmara, AHP, AHRESP e ATL, foram dados a conhecer esta quinta-feira. Ao todo, o Fundo vai aplicar 18,2 milhões de euros, provenientes da cobrança da taxa turística, em projectos que totalizam um investimento de 33,7 milhões de euros a realizar até ao final de 2018.

Criado a partir das verbas resultantes da cobrança das taxas turísticas, o Fundo Turístico de Lisboa vai ser responsável por uma parte substancial do investimento em projectos que visam melhorar a experiência dos turistas que visitam a capital mas que acabam por impactar também na qualidade de vida dos lisboetas.

A lista integra o Palácio Nacional da Ajuda, que vai ser concluído e alojará as Jóias da Coroa, o Museu Judaico de Lisboa, o Centro Interpretativo da Ponte 25 de Abril, o Terminal de Actividade Marítimo-Turística na antiga Estação Sul e Sueste, o Pólo Descobrir e o programa Lojas com História.

Nestes seis projectos que deverão estar concluídos até ao final de 2018, vão ser investidos 33,7 milhões de euros, dos quais 18,2 milhões serão suportados pelo Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa. Os restantes 15,5 milhões de euros irão ser financiados por outras entidades.

Além destes projectos já lançados este ano, em 2017 irão ser lançados outros, nomeadamente, o estudo da criação dos núcleos museológicos dos Descobrimentos, a dinamização do Museu do Azulejo, a modernização e melhoria da sinalética turística, videovigilância em locais de interesse turístico, e a reavaliação do novo centro de grandes congressos.

O Fundo irá financiar também, conforme foi anunciado na conferência de imprensa desta quinta-feira, o apoio à captação de congressos na época baixa, através de bonificações; a personalização da experiência do turista na plataforma digital do VisitLisboa; a promoção internacional de festivais de música, através do co-financiamento de programas de marketing nos mercados emissores; e iniciativas empresariais de comercialização através do co-financiamento de participações em feiras, workshops, roadshows, publicidade ou fam trips.

Recorde-se que o Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa é gerido de forma autónoma por um Comité de Investimentos, do qual fazem parte a Câmara Municipal de Lisboa, a Associação da Hotelaria de Portugal, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal e a Associação Turismo de Lisboa.