Golfistas estrangeiros recomendam a região de Lisboa

Mais de 84% dos golfistas estrangeiros considera provável ou muito provável o seu regresso à Região de Lisboa para jogar golfe, (98,9% em 2014), com 96,5% a considerar também provável ou muito provável o seu regresso em outras actividades de lazer (97,3% em 2014).

Esta é uma das conclusões de um estudo sobre o perfil do golfista estrangeiro que o Observatório do Turismo de Lisboa realiza desde 2004, tendo em conta a importância do golfe como produto turístico determinante nas estratégias de promoção dos destinos.

Dos resultados apurados conclui-se que 44,4% dos golfistas entrevistados é de origem britânica (35,4% em 2014), com a Alemanha a ocupar o segundo lugar (6,4% em 2014). A Escandinávia, que em 2014 ocupava a segunda posição com 11,7% desce agora para quinto lugar.
Em relação ao alojamento, 34,5% dos golfistas ficou alojado em Sintra e 32,2% em Cascais. Em 2014, essas percentagens tinham sido 27,3 e 28,6& respectivamente.
A maioria permaneceu 5 noites na região de Lisboa (7 ou 8 em 2014). Estadias mais curtas (inferiores ou iguais a 6 noites) obtiveram a preferência de 55,6% dos entrevistados (17,8% em 2014) – 53,9% para Portugal; enquanto estadias mais longas (7 noites ou mais) receberam a preferência de 44,4% das respostas (82,2% em 2014) – 46,1% no caso de Portugal.
Os critérios globalmente melhor classificados pelos golfistas foram a qualidade da restauração, a oferta de actividades adicionais e o preço do alojamento. Em 2014 esta classificação era liderada pelo valor de green fee, a qualidade do alojamento e a qualidade da restauração. Os critérios menos valorizados em 2015 foram a qualidade técnica do campo, a paisagem envolvente e a facilidade de reserva.