Opinião: “Google Flights e os iVoos, uma abordagem pré-férias…”, por João Pronto*

Caríssimos Leitores, não resisti: na madrugada de 09 de Julho, estava a corrigir exames, a coisa não estava acorrer como eu gostava que corresse… e para descontrair acedi ao Google Flights e simulei a aquisição de uma viagem com partida no Aeroporto de Lisboa, e chegada ao Aeroporto de Miami.

Como a experiência também não foi exatamente como esperava, decidi escrever este último artigo antes que o mês de Agosto chegasse e eu fosse de férias sem enviar o artigo da praxe para o José Luís Elias e para os pacientes leitores destes artigos mais… tecnológicos… 😉

Escrevi no Google: Google Flights e recebi um link, ao clicar surgiu uma página com um motor de reservas onde coloquei Lisboa e Miami, escolhi as datas dos voos e obtive:
googleflights1
Notas: para além das informações habituais nas OTA (horários e duração dos voos, um deles com chegada no dia seguinte), fiquei a saber que ambos os voos me fornecem a possibilidade de carregar os meus equipamentos eletrónicos, iphone e ipad através da “porta” USB, tenho direito aos habituais filmes, mas lamentavelmente estes voos não fornecem acesso à Internet através de wifi. Lá vou ter que fazer uma “desintoxicação forçada” de quase 10h offline, sem acesso à Internet… fica o consolo de voltar a tentar outros voos alternativos com esta funcionalidade tão “must have” na Hotelaria, caso contrário, o Hóspede vai de imediato reclamar nos tripadvisors da vida que o hotel nem uma estrela vale, quanto mais as 5 (mal) apregoadas…

Como sou mesmo viciado em Internet, desci mais um pouco na página, com a esperança de encontrar uma opção de voo com wifi incluída, independentemente de acarretar custos adicionais ou não (afinal, um viciado é um viciado)…

Para espanto meu encontrei:
googleflights2

“Book with a travel agent” com preço explicitamente inferior ao da Companhia Aérea?! Tentei clicar, mas 1 nano segundo depois percebi logo que não havia onde clicar, apenas era possível selecionar a reserva na TAP ou na eDreams… mas a curiosidade aumentou…

Voltei a cair em tentação, e cliquei em “Explore destinations” que estava no canto superior direito do écran e apareceu a sublime página infra:
googleflights3

Voltei a explorar a página, e eis que selecionei os 3 segmentos de reta do canto superior esquerdo, tendo surgido várias opções, interessantes, mas não me forneciam o que eu pretendia naquela altura, afinal estava a tentar encontrar um voo com wifi a bordo… mas “tracked prices” era demasiado intrigante e cliquei… surgiu outra página com design bem agradável a informar-me, se eu assim entender, que a Google, gentilmente, como é apanágio nos serviços turísticos, e a Google sabe deste “por maior” melhor que ninguém, encontra e informa-me acerca de voos mais económicos ou antecipa-me subida de preços dos ditos voos…

googleflights4

googleflights5

Mas ainda não encontrei o bendito com Internet que batizei de iVoo… ;-(
Comecei a explorar a “barra central” na esperança de encontrar a funcionalidade wifi…

googleflights6

Mas nada de iVoos, mas fiquei interessado nas praias, quando cliquei, os pontinhos vermelhos colocaram-se no mapa apenas em destinos onde potencialmente existirão praias perto de aeroportos, de novo em menos de 1 nano segundo percebi que não era o que eu queria, mas a informação é rápida e eficaz.

Decidi desistir desta componente e voltar aos meus voos, e cliquei em “Flights”, a página não me desapontou e voltei exatamente à página onde pretendia voltar – a página dos resultados dos voos. Selecionei a opção “Share” e a Google considerou apresentar “apenas” as seguintes opções com redes sociais:

googleflights7

Voltei de novo atrás, e comecei a pensar em Hotéis e ainda na forma de obter o meu iVoo.
Tive que escolher uma das opções: TAP ou eDreams, como tenho alunos e amigos em ambas empresas, a escolha ficou um pouco difícil, mas depois a minha costela lusa fez-me clicar em TAP.

Surgiu uma nova página, no separador do lado, também muitíssimo simples, funcional e elegante:

googleflights8

Tinha passado da página da Google para a página da TAP.

Voltei ao separador da Google, pois a TAP, por hora, não era o meu objeto de estudo.

Selecionei o link “Miami Beach” e surgiu um outro separador de pesquisa do Google.

Fiquei com a sensação “business as usual?!”, a Google não me apresenta hotéis e restaurantes para eu reservar? Nããã… vou pesquisar um pouco mais…

Escrevi no motor de reservas do Google “hotels in Miami Beach” e recebi

googleflights9

Selecionei obviamente o primeiro que encontrei com wifi, consumi mais uns segundos e verifiquei que a esmagadora maioria dos hotéis eram iHoteis! Que alívio!!! Quando chegar ao Hotel, não vou optar por ir direto à piscina ou ao restaurante petiscar, vou logo ver se a Internet é rápida com a minha aplicação que mede a velocidade de Internet… estou a brincaaarr (como dizem as minhas filhas)…

Voltei à carga, e fiz “reset” à minha pesquisa: Google de novo e escrevi “voos com wifi de Lisboa para Miami”, na esperança que a linguagem natural fornecesse maior inteligência ao Google:

googleflights10

Não está tudo perdido, há wifi a bordo e ainda por cima não lhe apelidam de vicio, mas antes de Conforto! Não vou desistir e vou tentar até obter o iVoo… ainda por cima na TAP!

*João Pronto
Professor Adjunto da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril
Professor Convidado da Católica Porto Business School
Consultor de IT em Empresas Turísticas