Governo cria linha de apoio às empresas afectadas pela falência da Thomas Cook

Lançada no âmbito do Programa Capitalizar, a nova linha de apoio dispõe de um plafond de 150 milhões de euros. Paralelamente, vai também disponibilizar 2,25 milhões de euros para um Plano Especial de Promoção para o Algarve e a Madeira.

A linha de apoio às empresas portuguesas afectadas pela insolvência do operador turístico Thomas Cook vai disponibilizar até 1,5 milhões de euros por empresa para financiamento de necessidades de tesouraria, com condições vantajosas e por um prazo até três anos, informou sexta-feira, 27 de Setembro, o Gabinete do ministro Adjunto e da Economia.

Além desta medida, o Governo vai ainda disponibilizar, em parceria com a Associação de Turismo do Algarve e a Associação de Promoção da Madeira, 2,25 milhões de euros para um Plano Especial de Promoção para o Algarve e a Madeira. De acordo com a mesma informação, este Plano Especial, que “visa responder à quebra naqueles que são os dois destinos nacionais mais dependentes deste operador, tem como objectivo “aumentar a procura e os níveis de transporte aéreo e de operação turística” em mercados como o Reino Unido, Alemanha, França, Holanda, Irlanda, Polónia e países nórdicos.

“O Governo e o Turismo de Portugal têm estado a monitorizar de forma permanente a evolução registada nos principais mercados afectados pela insolvência da Thomas Cook, designadamente através das equipas de turismo no estrangeiro e das Embaixadas desses mercados em território nacional”, lê-se na nota difundida pelo Gabinete do ministro da Economia.