Graciosa quer potenciar turismo subaquático com mais promoção

O turismo subaquático tem potencial para crescer na Graciosa, sobretudo se houver uma aposta no mercado norte-americano, que está a quatro horas dos Açores, defende a Associação Graciosense de Promoção de Eventos (Agraprome).

A última década tem-se assistido a uma crescente procura por esta actividade turística na ilha, mas há ainda muito potencial por explorar, mas a associação, citada pela imprensa açoriana sublinha que para que o turismo subaquático cresça na Graciosa, a ilha necessita de ligações aéreas melhores e mais baratas.

“Não temos muitos operadores de mergulho na ilha, mas há uma procura enorme”, afirma José Ávila, da Agraprome, que organiza, desde 2004, eventos relacionados com o turismo subaquático na Graciosa. Em 2014, Santa Cruz da Graciosa acolheu o primeiro campeonato europeu de fotografia subaquática, em que participaram cerca de duas centenas de pessoas de 18 países. Por outro lado, tem organizado outras iniciativas que têm dado projecção nacional e internacional ao mergulho na Graciosa, como campeonatos nacionais e internacionais de fotografia subaquática, ou a bienal de turismo subaquático, que ocorre de dois em dois anos, desde 2007.

Actualmente, são sobretudo os portugueses que procuram o mergulho na ilha Graciosa, mas com a divulgação que tem sido feita em feiras internacionais o destino é cada vez mais conhecido no estrangeiro.

A ilha tem vários ilhéus e montes submarinos afastados da costa, onde ainda é possível encontrar várias espécies marinhas, além de três navios naufragados: o Terceirense, o Corvo e o Mazzini.