Grupo Mera Prime abre 1º hotel em Lisboa mas tem já outros projectos em carteira

O Grupo Mera Prime, que acaba de abrir o seu primeiro hotel em Portugal, mais concretamente na Rua do Ouro, em Lisboa, tem projectos para duas novas unidades hoteleiras de luxo no nosso país,  na capital, nos próximos dois anos.

  

Conforme revelou a directora-geral da nova unidade, o Mera Prime Gold Design Hotel, Delfina Gama, apesar do primeiro projecto ser de três estrelas “porque não tem as áreas definidas pelo Turismo de Portugal, os outros investimentos terão classificação superior, mas vão-se destacar todos pela qualidade dos materiais”. No entanto não especificou nem localizações nem investimento.

O Mera Prime Gold Design Hotel, com 38 quartos, dos quais seis suites, tem uma equipa de 30 pessoa, e destaca-se pelo ambiente de luxo que apresenta. Aliás, define-se como um três estrelas de luxo, que segundo Delfina Gama “num hotel tão pequeno, para se obter determinada rentabilidade, tinha que oferecer esta qualidade”. A decoração luxuosa em tons dourados, tem um conceito único e exclusivo, inspirado na sua localização – a Rua do Ouro – e na joalharia portuguesa.

A unidade abriu portas há um mês e meio. “A ocupação tem sido já excelente e a superar as nossas expectativas”, referiu a directora-geral, indicando, igualmente, que “o preço médio, a rondar os 200 euros, tem sido extraordinário”.

O Grupo Mera Prime é o representante em Portugal da marca PappaRoti Caffé, que se localiza no rés-do-chão do hotel, que para além de atender o público em geral, o espaço é utilizado para os pequenos-almoços dos hóspedes.

Incluídos no preço da diária estão o pequeno-almoço, as bebidas no minibar e um cesto com frutas. Refira-se que o hotel não serve bebidas alcoólicas, mas de acordo com a sua directora-geral, o cliente tem a liberdade de as comprar em outro local e consumir no quarto.

O parceiro/fornecedor da nova unidade hoteleira é a empresa Green Apple, ligada ao segmento de mobiliário de luxo, com sede no Cartaxo. De acordo com o seu CEO, Sérgio Rebola, pretendeu-se “criar um projecto diferente em Portugal, que, apesar de ter uma tipologia de 3 estrelas que resulta dos constrangimentos da área dos quartos e do próprio edifício, situa-se no segmento de luxo e numa oferta diferenciadora”.

O investidor e proprietário do Grupo Mera Prime, de origem indiana, lançou o desafio à Green Apple no final de 2016 para o desenvolvimento deste projecto hoteleiro, o primeiro que equipa em Portugal, valorizando materiais de luxo como “madeiras verdadeiras, revestimentos em carvalho americano, presença do ébano, apontamentos de folha de ouro e de latão”, explicou Sérgio Rebola, para indicar que “o tema do hotel nasceu precisamente da localização, na rua do Ouro, e a partir daí criámos este conceito”. Por isso, “nos corredores existem algumas jóias portuguesas que aparecem referenciadas em impressões de vidro e aplicações de Swarovski, enquanto nos quartos e na sala de pequenos-almoços (PappaRoti Caffé) temos a presença de mobiliário e outras peças de pedras caras como é o caso do ónix ou do mármore. Todos os equipamentos foram desenhados e produzidos por nós e criados por pormenor”, disse.