Grupo PortoBay quer continuar a contribuir para a requalificação dos destinos

Assumindo-se como um grupo insular que tenta partilhar e espalhar uma “experiência atlântica” pelos locais onde se vai implantando, o Grupo PortoBay, além de gostar de fazer produtos novos, pretende, segundo o seu presidente, António Trindade, “continuar a contribuir para a requalificação dos destinos”.

É neste objectivo que, afirmou António Trindade, se inserem as duas unidades de Lisboa, com este contributo a acontecer “com tempos manifestamente diferentes”, o primeiro com a recuperação de “três prédios degradados que trabalhámos durante 10 anos até abrir o nosso PortoBay Liberdade”, e o segundo, o PortoBay Marquês inaugurado esta quarta-feira, que “em seis meses transformámos e requalificámos”.

Desta forma, sublinhou o responsável, “damos o nosso contributo para demonstrarmos que para valorizar o país e para valorizar destinos, é muito importante requalificar os produtos”.

António Trindade sublinhou igualmente o facto de 96% dos clientes do Grupo serem estrangeiros, o que contribui para “exportar cá dentro, porque trazemos as pessoas a consumir os nossos produtos”, uma percentagem que se reflecte também nas reservas que já existem para o PortoBay Marquês que em menos de um mês de operação tem já uma taxa de ocupação próxima dos 50%, com muitos dos hóspedes a serem já clientes habituais das unidades do Grupo. A este propósito, o responsável diria também que esta nova unidade vai contribuir paratrazer a Lisboa gente que em princípio não estava a pensar vir” por se tratar de “clientes que ganharam uma relação com o grupo e que o seguem para onde ele vai”.