Hotelaria algarvia inicia recuperação em Maio

A ocupação da hotelaria algarvia voltou a apresentar uma tendência positiva no passado mês de Maio, subindo 6,7 pontos percentuais face a igual mês do ano passado, atingindo uma taxa média global de ocupação de 61,3%, de acordo com os dados provisórios da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). Segundo os dados apresentados pela AHETA na sexta-feira, a subida da ocupação pode ser explicada pelo bom desempenho dos mercados externos, com destaque para o britânico, que apresentou uma subida de 3,7 pontos percentuais, seguindo-se o holandês, que cresceu 1,9 pontos, e o irlandês, onde a subida foi de 1,6 pontos percentuais. Já os mercados com pior desempenho foram o alemão e o português que, em Maio, apresentaram descida de 0,8 e 0,2 pontos percentuais, respectivamente, de acordo com a AHETA. A zona de Albufeira registou a maior taxa de ocupação de todo o Algarve, com uma média de 68,7% em Maio, enquanto a zona de Carvoeiro/Armação de Pêra, com uma média de 46,1%, foi a que apresentou a taxa mais baixa. Já as maiores subidas foram registadas nas zonas de Portimão/Praia da Rocha, onde o crescimento da ocupação foi de 15,0 pontos percentuais, seguindo-se Monte Gordo/VRSA, que apresentou uma subida de 10,2 pontos percentuais na ocupação média. Por categorias, os aldeamentos e apartamentos turísticos de três estrelas foram os que apresentaram a maior subida na ocupação em Maio, ganhando 14,3 pontos percentuais, seguindo-se os hotéis e aparthotéis de três estrelas, onde o crescimento registado foi de 10,5 pontos. Apesar de terem apresentado uma das maiores subidas, os aldeamentos e apartamentos turísticos de três estrelas foram, ainda assim, os que evidenciaram a taxa de ocupação mais baixa, numa média de 54,3%, enquanto os de cinco e quatro estrelas apresentaram a mais alta, pautando-se por uma ocupação média de 68,7%. I.M.