Hotelaria do Algarve com ligeira descida na ocupação em Abril

No passado mês de Abril, a hotelaria do Algarve registou uma taxa de ocupação de 46,4%, o que se traduz numa descida de 2,1% face a Abril do ano passado, de acordo com os dados provisórios avançado pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). De acordo com a AHETA, a ligeira descida registada em Abril explica-se pelo facto de a Páscoa ter sido assinalada em Março, enquanto no ano passado tinha sido em Abril, o que ?contribuiu para a descida verificada na taxa de ocupação?. Os dados avançados pela AHETA mostram que a principal descida se registou nos hotéis e aparthotéis de quatro estrelas, onde a ocupação desceu 5,1 pontos percentuais, enquanto os aldeamentos e apartamentos turísticos de quatro e cinco estrelas apresentaram a maior subida, crescendo 3,6 pontos percentuais. Já os aldeamentos e apartamentos turísticos de três estrelas foram os que apresentaram a ocupação mais baixa, numa média de 37,9%, tendo a taxa mais elevada sido registada nos aldeamentos e apartamentos turísticos de quatro e cinco estrelas, com uma média de 51,2%. Por zonas geográficas, Tavira e Monte Gordo/VRSA apresentaram as maiores subidas ao nível da ocupação, subindo 10,9 e 3,4 pontos percentuais, respectivamente, enquanto as principais descidas foram identificadas na zona de Portimão/Praia da Rocha, com um decréscimo de 9,9 pontos percentuais, bem como na zona do Carvoeiro/Armação de Pêra, com uma perda de 8 pontos percentuais. Já Albufeira, que é a principal zona turística do Algarve, sofreu uma quebra de 0,8 pontos percentuais. A taxa de ocupação média mais elevada da hotelaria algarvia em Abril foi identificada na zona de Monte Gordo/VRSA, com 58,1% de ocupação, enquanto Lagos/Sagres registou a ocupação mais baixa, com 28,3%. Por nacionalidades, as principais descidas registaram-se nos mercados nacional, que apresentou um decréscimo de 2,2 pontos percentuais, e espanhol, com uma descida de 2,1 pontos, enquanto as maiores subidas pertencem aos mercados holandês e francês, ambos com um acréscimo de 0,4 pontos, seguindo-se o mercado britânico, com uma subida de 0,2 pontos. I.M.