Hoteleiros contra potencial taxa turística em Madrid

O Ayuntamiento de Madrid pediu ao Governo espanhol mais competências de autonomia fiscal, com o objectivo, entre outros, de vir a estabelecer uma taxa turística na cidade. A AEHM – Asociación Empresarial Hotelera de Madrid já mostrou estar em desacordo com esta medida.

A AEHM uniu-se numa declaração contra a implementação de uma taxa turística na capital espanhola, argumentando que “prejudicaria directamente o sector, afectaria negativamente a indústria turística em geral e os hoteleiros em particular, para além de abrandar o desenvolvimento económico de Madrid”.

Os hoteleiros madrilenos atestam apostar “tanto no desenvolvimento sustentável do destino, como num turismo de qualidade”, sendo que é por estes motivos que rejeitam a criação da uma taxa turística e “continuaremos a focar os nossos esforços em melhorar a qualidades e os serviços da nossa oferta hoteleira”.

Segundo Jorge García Castaño, delegado de Economia y Hacienda, esclareceu em Assembleia esta quarta-feira, o imposto turístico não seria aplicado de imediato, mas estaria interessado em implementá-lo para o próximo mandato. É recuperada, assim, a ideia que propuseram há três anos, no início da actual legislatura.

O responsável pela área económica lembra que em Barcelona já se cobra a taxa turística. “Há duas cidades que têm as suas próprias leis, Barcelona e Madrid, e essas leis podem ser veículos para alterar competências da económica fiscal, e penso que temos que usá-las no seu pleno”, declarou Garcia Castaño