IATA: Indústria aérea deverá ganhar 33 mil milhões de euros este ano

O sector aéreo mundial ganhar este ano cerca de 33 mil milhões de euros, menos que o previsto inicialmente, devido à desaceleração do PIB mundial e do aumento dos custos, ao mesmo tempo que encara o 2017 com previsões de lucros ainda menores, cerca de 30 mil milhões.

De acordo com a Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA), que em Junho passado estimava lucros de 39,4 mil milhões de dólares para o conjunto de 2016, o cálculo final para este exercício ainda representa o “valor mais elevado em termos absolutos e a maior margem de lucro líquido” para a indústria aérea global, com 5,1%.

Na sua apresentação da situação do sector em 2016 e as perspectivas para 2017, a IATA estima para o próximo exercício receitas de 736 mil milhões de dólares e uma margem de lucro líquido de 4,1%. No entanto, o conselheiro delegado da IATA, Alexandre de Juniac considera que em 2017 “as condições serão mais difíceis” com a subida do preço do petróleo, ma a indústria mover-se-á de forma segura em território rentável.

As previsões apontam para um incremento do preço do combustível da aviação de 52,1 dólares por barril para 64,9 dólares, sendo que representará 18,7% dos custos do sector no próximo ano, mesmo assim, muito abaixo do máximo (33,3%) do período 2012-2013.

Na Europa, o transporte aéreo registará em 2017 um lucro líquido adicionado de 5.6 mil milhões de dólares, abaixo dos 7.5 mil milhões este ano, mas com uma margem de lucro líquido de 2,9% e um ganho de 5,65 dólares por passageiro, enquanto a capacidade deverá crescer 4,3% frente aos 4% da procura.