IATA pede menos barreiras à livre circulação de pessoas através das fronteiras

“Nos próximos 20 anos o número de passageiros duplicará. É uma excelente notícia para a economia mundial, já que a conectividade aérea é um catalisador para a criação de emprego e crescimento do PIB, mas não obteremos os máximos benefícios sociais e económicos com este crescimento se as barreiras para viajar não forem abordadas e os processos forem simplificados”, alertou Alexandre de Juniac, director-geral e CEO de IATA.

A associação Internacional de Transporte Aéreo pede aos governos para que intensifiquem os seus esforços para promover os benefícios económicos e sociais da aviação eliminando barreiras à livre circulação de pessoas através das fronteiras.

Segundo Juniac, existem ainda muitas barreiras para viajar, por isso, a IATA desenvolveu uma estratégia abrangente de fronteiras abertas para ajudar os governos a trabalhar com a indústria para manter a integridade das fronteiras nacionais e eliminar as ineficiências que impedem a indústria de atender à procura de viagens.

Pesquisas da Organização Mundial de Turismo (OMT) e do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) sobre o impacto da facilitação de vistos indicam que indicam que poderão ser criados 89 mil milhões de dólares em receitas de turismo e 2,8 milhões de empregos só na região da Ásia/Pacífico apenas com a redução das barreiras para viajar.