IATA reage à suspensão de ligações aéreas de e para o Qatar

A IATA, reunida em Assembleia-Geral em Cancún, emitiu um comunicado em que “reconhece que os Estados têm direito e dever de proteger os seus cidadãos reforçando as suas fronteiras”, mas indica que, por ser a representante da indústria de aviação, “apoia fronteiras abertas às pessoas e ao comércio”.

A Associação Internacional do Transporte Aéreo reagia, assim, à decisão de vários países vizinhos do Qatar de proibir ligações aéreas para este emirado, bem como a interdição do espaço aéreo de vários países aos voos da Qatar Airways, realçando que “espera que as ligações sejam restauradas o mais rápido possível”.

A Arábia Saudita e outros cinco países árabes anunciaram o corte de relações com o Qatar e tomaram medidas para isolar o país, sob a acusação de apoio ao terrorismo.

O secretário- geral da Organização das Companhias Aéreas Árabes, Abdul Wahab Teffaha, comparou o bloqueio do tráfego aéreo por seis países do Médio Oriente o a voos operados pela Qatar Airways ao embargo americano a Cuba, que durou mais de 50 anos. Na sua opinião, ainda é prematuro avaliar quanto tempo a suspensão de voos vai durar ou as suas consequências económicas, mas análises preliminares de consultorias especializadas apontam que 30% da receita da Qatar Airways poderão ser afectadas com a decisão.

A notícia da suspensão dos voos da Qatar Airways apanhou ou executivos mundiais do transporte aéreo de surpresa. Nenhum dele se arriscou a dimensionar os prejuízos para a companhia, mas afirmaram que a empresa terá que procurar alternativas de vias aéreas para atender todos os seus destinos, uma vez que, para vários destinos internacionais os seus aviões sobrevoam a Arábia Saudita. Por isso, para manter algumas rotas, terá que contornar o país árabe, o que levará necessariamente a um aumento de custo.

De acordo com a consultora OAG, o bloqueio do tráfego aéreo pelas nações árabes vai resultar na suspensão de 76 voos de diferentes companhias que operam no Qatar. Desses, 52 são da Qatar Airways.

Refira-se que a Qatar Airways adquiriu 10% da Latam o ano passado, e tem 20% da IAG, dona da British Airways e da Iberia.