IATA: tráfego aéreo continua caminho ascendente moderado

Em Setembro, o tráfego aéreo cresceu 3,8% comparativamente ao mesmo mês de 2018, mantendo-se praticamente inalterado em relação à performance de Agosto, segundo dados partilhados pela IATA esta quinta-feira.

Os resultados globais do tráfego aéreo de passageiros para o mês de Setembro, publicados pela Associação Internacional do Transporte Aéreo, mostram que a capacidade cresceu em 3,3% e a taxa de ocupação em 0,4 p.p. para os 81,9%, um recorde este mês.

Assim, “Setembro marca o oitavo mês consecutivo de crescimento abaixo da média”, segundo declara Alexandre de Juniac, director-geral e CEO da IATA, uma tendência que prevê difícil de reverter nos próximos tempos. “Estes são dias desafiantes para a indústria global do transporte aéreo”, afirma.

Alexandre de Juniac alerta que “em tempos como este os governos devem reconhecer o poder da conectividade aérea para reavivar a economia e ajudar a criação de emprego”. Contudo, “muitos governos – em particular na Europa – estão fixados na aviação como uma indústria dos ovos de outros das taxas e impostos”. “Esta é a abordagem errada”, conclui.

O tráfego aéreo internacional cresceu em 3% no mês de Setembro, um abrandamento quando comparado com a subida de 3,6 em Agosto. Ainda assim, o tráfego registou crescimento em todas as regiões, numa tabela liderada pela América do Norte (+4,3%). A capacidade cresceu 2,6% e a taxa de ocupação fixou-se nos 81,6%, uma subida de 0,3 pontos percentuais.

As companhias aéreas europeias cresceram 2,9% no tráfego aérea em Setembro, sendo a performance mais fraca da região este ano e um abrandamento dos +4,2% registados em Agosto. Os resultados foram afectados pelo desaparecimento de algumas companhias aéreas, a par com greves de pilotos. Naquele mês a capacidade aumentou 2,5% e o load factor 0,3 p.p. para os 86,9%, a taxa mais alta entre todas as regiões.