Image Tours faz grande aposta na Grécia

O operador turístico Image Tours destaca a Grécia na sua programação este ano, tendo duplicado os lugares em risco na operação com a Aegean para Atenas, aos sábados. Sem fugir muito dos destinos em que se considera especialista, nomeadamente no Médio e Extremo Oriente, a Grécia e a Rússia têm sido um sucesso.

Miguel Jesus, director comercial da Image Tours declarou ao turisver.com que “tendo em conta os bons resultados que tivemos o ano passado com este destino, sendo o primeiro de operação, decidimos este ano duplicar o risco, alterando os dias da partida para os sábados, em vez das terças-feiras”.

Esta aposta tem também em conta o facto do cliente português procurar o Mediterrâneo com interesse, mas devido à instabilidade política na Turquia, Egipto e Tunísia, a Grécia é uma boa alternativa. “Tem todas as condições, quer a nível da distância, quer de preço e de qualidade”, considerou o responsável.

O Verão na Grécia com voos directos de Lisboa já está a ser vendido pela Image Tours em campanha antecipada, em programas de oito dias. Assim, o operador oferece Grécia Fantástica desde 825 euros por pessoa, Atenas, Cultura & Praia desde 899 euros, Atenas e Santorini a partir de 925 euros, Atenas e Mykonos desde 929 euros por pessoa, Grécia Milenar com custos a partir de 975 euros, Atenas, Mykonos e Santorini desde 1.095 euros, e ainda Atenas mais cruzeiro desde 1.195 euros.

A par disso, e aproveitando a própria realização do roadshow de “Os Especialistas”, a Image Tours promoveu a sua programação para os destinos do Extremo Oriente, sem esquecer o seu destino número um, que é o Egipto, apesar de Miguel Jesus reconhecer que “esteja a registar menos procura”. Em relação à Páscoa, o director comercial indicou que está tudo vendido – Índia, Dubai, Tailândia e Jordânia, excepto alguns lugares para a Rússia, em risco com a KLM, a 9 de Abril.

Com a ATR, que representa a Royal Air Jordanian em Portugal, o operador turístico está a tentar organizar uma famtrip ainda este ano para a Jordânia, levando agentes de viagens e jornalistas, isto para dar um forcing ao destino. “Sentimos muitas vezes para um destino vender menos ou mais depende do agente de viagens que cria ele próprio uma barreira e sente-se inibido de o propor ao cliente”, referiu Miguel Jesus, acrescentando que “tem de haver um trabalho conjunto no sentido de explicar e levar lá o agente de viagens a ver”. Neste caso, assegurou que “a Jordânia é um destino fantástico e obrigatório, é seguro e está desejoso de receber turistas portugueses”.