INE: 2M de hóspedes e 5,4M de dormidas na hotelaria em Maio

Dados publicados esta sexta-feira pelo INE referem que em Maio, a hotelaria em Portugal registou 2 milhões de hóspedes e 5,4 milhões de dormidas, correspondendo a subidas de 7,9% e 7,2%, respectivamente, face ao período homólogo de 2016.

Se as dormidas de residentes aumentaram 7%, traduzindo-se em 1,2 milhões de dormidas, as de não residentes tiveram praticamente a mesma evolução percentual, ou seja 7,3%, tendo chegado a 4,2 milhões de dormidas.

No conjunto dos três meses (Março, Abril e Maio), diz o INE, as dormidas de residentes aumentaram 7,8% e as de não residentes cresceram 11,3%, cifrando-se em 10,4% o acréscimo das dormidas totais. No acumulado de Janeiro a Maio as dormidas de residentes cresceram 6,5% e as de não residentes 11,8%.

A estada média (2,73 noites) decresceu 0,7%. A taxa de ocupação-cama situou-se nos 55%) tendo aumentado 3,3 p.p.

As dormidas em hotéis (69,2% do total) apresentaram um crescimento de 9,3%. As restantes tipologias e respectivas categorias apresentaram evoluções maioritariamente positivas, com destaque para os hotéis-apartamentos de cinco estrelas (+15,1%) e para os hotéis de três estrelas (+12,5%).

No que diz respeito aos mercados externos, o polaco (52,3%), o brasileiro (40,3%) e o americano (34,2%) foram os que tiveram crescimentos mais expressivos. Estes mercados foram também os que mais aumentaram entre Janeiro e Maio (44,5%, 55,0% e 29,4%, respectivamente). Mas os 13 principais mercados emissores representaram 85,1% das dormidas de não residentes e apresentaram resultados maioritariamente positivos.

Segundo dados do INE, em Maio verificou-se um crescimento expressivo de dormidas de não residentes na região Centro (20,3%), bem como nos Açores (20,1%) e Alentejo (18,5%). As dormidas distribuíram-se principalmente pelo Algarve (34,7%) e AM Lisboa (24,6%). No entanto, observaram-se aumentos das dormidas na maioria das regiões.

No mês em análises houve um acréscimo de 364,5 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 26,4% foi gerado pelo acréscimo de dormidas no Algarve (96,1 mil dormidas acrescidas) e 23,9% pelo Centro (87 mil dormidas adicionais). No conjunto dos cinco primeiros meses do ano, todas as regiões apresentaram crescimentos, com realce para as evoluções dos Açores (18,1%) e Centro (15,3%).

As dormidas de residentes aumentaram em todas as regiões, com destaque para os Açores (24,9%) e o Alentejo (15,3%). No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, estas regiões foram também as que apresentaram maiores crescimentos no que respeita a dormidas de residentes (22% e 9,6%, respectivamente). Os mercados externos apresentaram crescimentos em todas as regiões com excepção da Madeira. Destacou-se o crescimento expressivo registado no Centro (32%) e ainda as evoluções do Alentejo (23%) e dos Açores (17,1%).