INE: Dormidas com aumento de 5,1% em Setembro

Uma vez mais, o crescimento verificado nas dormidas foi catapultado pelos não residentes, com um aumento homólogo de 7,7%, já que as dormidas de nacionais recuaram 1,2%. No total, de acordo com os dados publicados ontem pelo INE, os estabelecimentos hoteleiros registaram em Setembro perto de 1,6 milhões de hóspedes (+1,2% em termos homólogos), responsáveis por um pouco mais de 4,8 milhões de dormidas (+5,1%). Os únicos responsáveis por este aumento foram, no entanto, os não residentes, que geraram 3,48 milhões de dormidas, numa variação homóloga positiva de 7,7%, já que as dormidas de nacionais recuaram 1,2% para cerca de 1,33 milhões. O aumento do número de dormidas foi comum a todas as tipologias de alojamento com os hotéis de 5 estrelas a apresentarem a maior subida homóloga: + 16,5%. No global, a ocupação dos hotéis subiu 7,9%, bastante acima do que aconteceu nas outras tipologias de alojamento, à excepção da Pousadas, onde o aumento homólogo foi de 10,4%. Em termos de regiões, os acréscimos verificados nas dormidas foram praticamente uma constante, com excepção para o Centro de Portugal e o Alentejo: -0,4% e -0,6%, respectivamente. No que toca aos resultados positivos, o destaque vai para as Regiões Autónomas com subidas homólogas de +7,4% nos Açores e 9,9% na Madeira). No Continente, Lisboa (+6,5%), Norte (+5,3%) e Algarve (+3,7%), tiveram também resultados positivos. De salientar que o Algarve foi o principal destino dos residentes no estrangeiro (41,6% do total), seguido por Lisboa (24,2%) e Madeira (15,7%). Em termos de mercados externos, a evolução foi também globalmente positiva, com destaque para a Alemanha que subiu 13,9% e para Espanha que, embora com um aumento homólogo de 7,4% nas dormidas em Setembro, não consegue sair do vermelho no cumulado do ano. O Reino Unido cresceu 8,8%,o Brasil 10,1%, França registou +7,1% de dormidas, e os Estados Unidos +4,1%. Em contraponto estiveram os mercados de Itália, Holanda e a Irlanda, com decréscimos homólogos das dormidas (-10,5%, -6,3% e -2,3%, respectivamente). M.F.