INE: Dormidas de estrangeiros voltaram a compensar quebra do mercado interno em Fevereiro

O mês de Fevereiro voltou a trazer consigo um aumento no número de dormidas na hotelaria: +0,6% que no período homólogo do ano passado, para um total de 1,9 milhões. À imagem do que vem acontecendo desde há cerca de um ano apenas os estrangeiros contribuíram para o aumento de dormidas, já que o mercado interno voltou a contrair. Os dados foram revelados ontem pelo INE. Para o ligeiro aumento de 0,6% nas dormidas hoteleiras em Fevereiro apenas contribuíram os residentes no estrangeiro, responsáveis por +5,0% de dormidas, cerca de 1,3 milhões. Já as dormidas efectuadas pelos residentes registaram uma quebra de -7,8% face a Fevereiro do ano passado, para um total que é agora de 597,5 mil dormidas. De acordo com os dados ontem publicados pelo INE, os 8 principais mercados emissores concentraram 72,3% das dormidas de não residentes e revelaram evoluções maioritariamente positivas em Fevereiro. O Reino Unido, com uma quota de 22,7%, registou em Fevereiro um crescimento homólogo de 7,7%, enquanto o mercado alemão, com um peso de 17,1% no global dos mercados estrangeiros, apresentou um aumento de 7,2% em termos homólogos. O mercado holandês, com uma quota de 10,6% apresentou em Fevereiro um acréscimo de 7,0% no número de dormidas, enquanto o mercado francês (5,7% do total) apresentou resultados positivos de +2,9% de dormidas). Positivos foram também os comportamentos dos mercados italiano e irlandês que apresentaram evoluções homólogas de +5,2% e +30,7%, ?contrariando os resultados negativos do mês anterior (-11,1% e -7,1%, respectivamente)?, salienta o INE, destacando também que, ?em termos de representatividade estes mercados detiveram quotas de 2,3% e 1,4% em Fevereiro 2013, respectivamente?. Resultado bem diferente foi o do mercado espanhol, que desde há três meses vem apresentando variações homólogas negativas. Em Fevereiro, Espanha, que representa 7,6% das dormidas de não residentes, apresentou -15,4% de dormidas que no mês homólogo do ano passado. Também a descer, no segundo mês deste ano, esteve o Brasil com -1,5% de dormidas que no mesmo mês do ano passado, representando agora uma quota de 4,9% das dormidas totais de estrangeiros na hotelaria portuguesa. M.F.