INE: Hotelaria regista 1,2M de hóspedes e 3,1M de dormidas em Novembro

Dados do INE sobre a actividade turística referente ao mês de Novembro último publicados esta segunda-feira dão conta que a hotelaria nacional registou 1,2 milhões de hóspedes e 3,1 milhões de dormidas, que correspondem a subidas de 10,2% e 8,8% face ao período homólogo do ano anterior.

No acumulado de Janeiro e Novembro registaram-se acréscimos de 8,7% nos hóspedes e 7,2% nas dormidas.

As dormidas dos mercados interno e externo aceleraram para crescimentos de 8,9% e 8,8% respectivamente quando em Outubro de 2017 os aumentos tinham sido de 5,3% e 6,8%, respectivamente. O mercado interno foi responsável de um total de 878,1mil dormidas (+71,5 mil dormidas face a Novembro de 2016). Este nível de aumento foi o mais significativo dos últimos

12 meses, com excepção de Abril de 2017 (sob efeito do calendário da Páscoa). Os mercados externos também aceleraram, para um crescimento de 8,8% (+6,8% em Outubro), e registaram 2,3 milhões de dormidas (acréscimo de 182,7 mil).

De acordo com o INE, a estada média, que se situou em 2,53 noites, conheceu um decréscimo de 1,3%, e só nos não residente, houve uma descida de 4,6%. No período em análise a taxa líquida de ocupação-cama teve um aumento de 1,8 p.p., situando-se em 37,1%.

As dormidas em hotéis (74,5% do total) apresentaram um crescimento de 9,6%. As restantes tipologias e respectivas categorias evidenciaram evoluções maioritariamente positivas, destacando-se as dos apartamentos turísticos

(+17,1%) e dos aldeamentos turísticos (+13,0%).

Refira-se que nos primeiros onze meses do ano, o mercado interno gerou 14,9 milhões de dormidas (+3,8%) e os mercados externos corresponderam a 39,9 milhões de dormidas (+8,6%) representando 72,8% do total. No entanto, os 13 principais mercados emissores representaram 80,2% das dormidas de não residentes, sendo que os mercados alemão e britânico foram os mais representativos, com uma quota semelhante (16,3% do total das dormidas de não residentes).

Mesmo assim, o INE destaca o recuo do mercado britânico pelo segundo mês consecutivo (-7,7% em Novembro, depois de -5,4% em Outubro). Estes resultados, “à semelhança do mês anterior, poderão estar influenciados pelo cancelamento de alguns serviços de transporte aéreo nomeadamente entre o Reino Unido e os aeroportos de Faro e Funchal”, refere o INE.

Quanto às subidas, destacaram-se os crescimentos apresentados em Novembro pelos mercados polaco (46,9%), norte-americano (37,1%) e italiano (26,6%).

No que respeita às regiões, os aumentos das dormidas foram verificados em todas elas, com realce para o Alentejo (+21,4%) e Centro (+20,0%). As dormidas concentraram-se principalmente na região de Lisboa, com um peso de 32,1%), no Algarve (20,8%) e na Madeira. No mês em análise houve um incremento de 254,2 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 38,8% foi proveniente da Área Metropolitana de Lisboa (98,8 mil dormidas adicionais), 20,4% do Centro (acréscimo de 51,8 mil dormidas) e 17,5% do Norte (44,5 mil dormidas acrescidas). No período entre Janeiro e Novembro todas as regiões apresentaram aumentos nas dormidas com realce para os Açores Açores (+15,5%), Centro (+14,7%) e Alentejo (+11,0%).