INE: Março trouxe evolução positiva nos indicadores hoteleiros

O efeito Páscoa trouxe resultados globalmente positivos à hotelaria portuguesa, com o mês de Março a reflectir uma variação homóloga de 14% nas dormidas. Para isso contribuíram principalmente os não residentes (+19,3) mas também as dormidas dos residentes registou uma subida homóloga de 3,0%. De acordo com os dados ontem publicados pelo INE, os estabelecimentos hoteleiros alojaram em Março cerca de milhão de hóspedes (1.028,5, subida homóloga de 9,5%), que originaram cerca de 2,8 milhões de dormidas (2.847,2, aumento de 14%). Uma evolução que, como assinala o INE ?está em larga medida associada a um efeito de calendário pois a Páscoa celebrou-se em Março e não em Abril como aconteceu em 2012?. Ao contrário do que vinha acontecendo desde Agosto do ano passado, em Março os residentes também contribuíram para a boa performance dos indicadores hoteleiros, tendo sido responsáveis por 840,7 mil dormidas, valor que representa um acréscimo homólogo de 3,0% após um período prolongado de resultados negativos. Mesmo assim, foram os estrangeiros que mais contribuíram para os resultados já que os mercados externos, no seu conjunto, foram responsáveis por um pouco mais de 2 milhões de dormidas, num aumento de 19,3% face ao mesmo mês do ano passado. A taxa de ocupação-cama foi de 33,9%superando a do mês homólogo em 3,1 p.p., com efeitos positivos em todas as regiões do país e em todas as tipologias de alojamento turístico, à excepção das Pousadas. Já a estada média foi de 2,8 noites, ligeiramente superior à do período homólogo (2,7). Os resultados do trimestre reflectem também o efeito da Páscoa ter ocorrido em Março, originando um aumento de 6,0% nas dormidas face ao mesmo período do ano passado e de 3,3% no número de hóspedes. Ainda no que se refere ao primeiro trimestre é de salientar que as dormidas de não residentes registaram uma subida homóloga de 11,0%, muito embora o indicador referente às dormidas dos residentes continue negativo, reflectindo uma quebra de 3,7% comparativamente com o mesmo período do ano passado. M.F.