INE: Proveitos da hotelaria aumentam acima de 15% em Junho e mais de 16% no semestre

De acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo INE, os proveitos totais do alojamento hoteleiro registaram um aumento homólogo de 15,2% em Junho. Já no semestre, a variação foi de +16,5% face ao mesmo período do ano passado.

Na senda do que tem acontecido nos últimos meses, os proveitos cresceram acima da ocupação, com Junho a registar proveitos totais de 294,2 milhões de euros, + 15,2% em termos homólogos, e 212,0 milhões de euros de proveitos de aposento, o que reflectiu uma subida de 15,5% face ao mesmo mês do ano passado. Segundo o INE, “a evolução dos proveitos totais está em linha com o mês anterior (+15,8%), mas os de aposento desaceleraram (+17,9% em Maio)”.

Positivos foram também os resultados do primeiro semestre foram igualmente positivos, reflectindo um aumento de 16,5% nos proveitos totais para 1.163,5 milhões de euros e de 17,6% nos proveitos de aposento para 820,9 milhões de euros.

Os proveitos aumentaram em todas as regiões, com maior expressão nos Açores (+27,0% de proveitos totais e +27,2% nos de aposento) e na região Norte (+23,6% e +24,8%). A propósito, o INE comenta que “os resultados expressivos dos proveitos poderão em parte ter beneficiado da situação de instabilidade de países concorrentes, com consequente aumento da procura de alguns mercados, motivando a implementação de estratégias comerciais de aumento de preços”.

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 49,9€, reflectindo um aumento de 11,1% “ligeiramente aquém do conjunto dos seis primeiros meses do ano (+13,1%; 34,2€)”.

Lisboa (69,9€), Algarve (57,3€) e Madeira (50,7€) foram as regiões com maior rentabilidade média por quarto disponível, muito embora a evolução tenha sido globalmente positiva e com maior impacto no Alentejo (+19,4%), Açores (+18,2%) e Norte (+17,8%).

Por categorias de estabelecimentos, a rentabilidade média mais elevada pertenceu aos hotéis e hotéis-apartamentos de cinco estrelas, com 102,2€ e 84,8€, respectivamente), tendo também sido, uma vez mais, os que apresentaram acréscimo mais notório neste indicador: +37,8% em termos homólogos. Seguiram-se, na rentabilidade, as pousadas (73,6€) e os hotéis de quatro estrelas (54,3€).