INE: proveitos hoteleiros crescem em Setembro mas abaixo das dormidas

Os dados ontem publicados pelo INE revelam um aumento dos proveitos hoteleiros e do RevPar em Setembro, mas mesmo assim, em ambos os casos, inferior ao crescimento dos hóspedes e das dormidas. Em Setembro, a hotelaria registou proveitos totais na ordem dos 230,1 milhões de euros, o que reflectiu uma evolução homóloga positiva de 4,3%, enquanto os proveitos de aposento, que totalizaram 161,9 milhões de euros, registaram um aumento de 3,5%. No que se refere a estes indicadores, o INE sublinha o facto de terem sido as Regiões Autónomas dos Açores (+14,2% nos proveitos totais e +13,3% nos de aposento) e Madeira (+7,6 e + 11,7%, respectivamente) a apresentarem os resultados mais favoráveis, embora no Continente, os resultados tenham sido também maioritariamente positivos, com destaque para Lisboa com um aumento dos proveitos de aposento (+1,0%) bem inferior ao das dormidas (+6,5%). Quanto ao RevPar, registou-se uma subida homóloga de 2,5% para 40,7 euros, sendo que as regiões com maior rendimento médio por quarto disponível foram Lisboa (56,7 euros), Algarve (47,0 euros) e Madeira (42,3 euros). Já em termos de evolução homóloga, o maior crescimento aconteceu nos Açores (+19,7%). Madeira e Algarve também registaram acréscimos (+9,9% e +2,8%), ao contrário de Lisboa que viu o rendimento médio por quarto disponível recuar 3,2%. A maior rentabilidade média registou-se nos hotéis de 5 estrelas (82,5 euros), seguidos pelas pousadas (62,0 euros) e pelos hotéis-apartamentos de 4 estrelas (50,1 euros), muito embora tenham sido os hotéis-apartamentos de 5 e 4 estrelas a registarem a evolução homóloga mais expressiva (+17,3% e +7,7% respectivamente). M.F.