INE: Reduções nas dormidas em todas as regiões

Influenciado pelo calendário da Páscoa, que impulsionou as dormidas na hotelaria essencialmente no mês de Março, em Abril de 2018 a hotelaria registou 1,8 milhões de hóspedes, num total de 4,7 milhões de dormidas, numa queda de 5,4% e 8,4%, respectivamente, contrastante com o crescimento observado em Março (+11,7% e +9,9%).

De acordo com dados revelados a 15 de Junho pelo INE, em Abril registaram-se reduções nas dormidas em todas as regiões, mais acentuadamente no Alentejo, com um decréscimo de 15,4%. As menores quedas foram registadas no Norte (-3,1%), Açores (-4,3%) e Lisboa (-4,9%). Algarve e Área Metropolitana de Lisboa foram as regiões que captaram 31,6% e 26,5% das dormidas totais, sendo que em Abril houve uma redução de 428,4 mil dormidas, da qual 47,1% se justifica pela redução verificada no Algarve.

Em Abril, o mercado interno contribuiu com 1,2 milhões de dormidas, numa redução de 9.3% (+15,4% em Março). Houve um recuo também nos mercados externos, se bem que menos expressivo (-8% em Abril / +8% em Março), atingindo 3,5 milhões de dormidas. No primeiro quadrimestre de 2018 as dormidas dos residentes subiram 3,3% acima do crescimento verificado nas dormidas dos não residentes, de 1%.

Os 13 mercados emissores principais representaram 82,9% das dormidas de não residentes e apresentaram resultados maioritariamente decrescentes, com os cinco maiores a apresentarem todos uma quebra tanto em Abril, quanto no acumulado dos primeiros quatro meses deste ano. Em Abril, as dormidas de hóspedes do Reino Unido recuaram 8,9%, mantendo a tendência dos últimos meses. O mercado alemão evidenciou uma redução de 9,3%, o francês de 7,3%, o holandês de 13% e o espanhol uma queda expressiva de 39%.

Tanto em Abril, quanto no primeiro quadrimestre destaca-se o crescimento de dois mercados emissores, o norte-americano, com um crescimento de 14,8% nesse mês e 20,1% nos primeiros quatro meses do ano, e o brasileiro, a crescer 10,2% e 13,5%, pela mesma ordem.

A estada média reduziu 3,1% para a as 2,62 noites, com a maior redução a registar-se na Madeira (-7,6%), onde, não obstante, se verificou a estada média mais elevada, de 4,62 noites. Também a taxa líquida de ocupação-cama recuou uns 4,7 pontos percentuais em Abril, para 49,9%. A taxa de ocupação mais elevada ocorreu também na Madeira (68,4%), seguindo-se Lisboa (64,2%).