Investimento de 120M€ faz renascer o Hotel Savoy

O Savoy Palace renasce do que podemos chamar as “cinzas” do antigo Hotel Savoy, no centro do Funchal, com a entrada a fazer-se de novo pela Avenida do Infante. Foi um investimento de 120 milhões de euros que fez renascer esta unidade hoteleira da Savoy Hotels & Resorts, com abertura prevista para a Primavera de 2019.

A Savoy Hotels & Resorts, proprietária do Savoy Saccharum, Royal Savoy, Savoy Calheta Beach, Savoy Gardens e Madeira Regency Club, todos na Madeira, juntará em breve uma outra unidade ao seu portefólio. A conclusão da obra do Savoy Palace está prevista para a Primavera do próximo ano, com a cerimónia do Pau de Fileira, que marca o início da última fase de construção, a ter sido celebrada esta quarta-feira.

O hotel, de 16 pisos, terá cerca de 550 quartos para uma capacidade de carga de cerca de 1.100 pessoas. Contará com suites presidenciais, 14 pool suites com pequenas piscinas privativas, suites e quartos standard, para além de quartos de tipologia T0, T1 e T2, que representam cerca de 190 unidades de alojamento tipo apartamento, que serão destinadas ao negócio do Vacation Club.

Contando com as das pool suites, e uma em cada suite presidencial, a unidade hoteleira conta um total de 21 piscinas. Das cinco piscinas públicas contam-se duas na zona de piscinas e bar, uma de crianças e uma outra com 80m², uma piscina interior do Spa e duas nos pisos superiores do hotel, uma no VIP Lounge e outra no Sky Bar. No futuro Savoy Palace figurarão diversas zonas de restauração, tanto dedicadas aos hóspedes, como de acesso ao público ao geral.

Avelino Farinha, proprietário do Savoy Palace, explica que “a nossa preocupação desde o início foi abrir o hotel à cidade e à população […] criar uma nova centralidade”, acrescentando que “de uma área privada e de hotel abrimos mais de um terço do espaço à cidade, transformando em área pública, com jardins, praças e espaços comerciais”. Estes espaços incluem a Plaza Savoy e Galerias Savoy, com espaços comerciais e cafés, a reconstrução da fachada da Rua Imperatriz Dona Amélia e um espaço panorâmico sobre a cidade, no último piso do hotel, servido de dois elevadores panorâmicos de alta velocidade que dão acesso directo ao exterior.