IPDT: Estudo aponta para aumento do consumo nas férias de 2017

As intenções de consumo turístico por parte dos portugueses para este ano são superiores às de 2016, com uma previsão mais significativa de aumento do número de períodos de férias e da sua duração, e um incremento menos substancial ao nível dos gastos.

De acordo com o estudo de intenção de férias em 2017 de cidadãos nacionais desenvolvido pelo IPDT, 91% dos portugueses pretende viajar este ano, previsão semelhante à apurada no período homólogo do ano anterior.

Para 2017 as decisões sobre as férias dos portugueses fora de casa vão ser ditadas pela poupança, com a maioria a reconhecer que faz sempre uma estimativa orçamental para as suas viagens e que as suas opções dependem de quanto conseguem poupar.

No que se refere a períodos de férias mais longos, o inquérito realizado em parceria com a Soltrópico e a Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, 74% dos portugueses diz que vai gozar, pelo menos, um período de férias fora de casa. As escolhas recaem em destinos nacionais, estando o Algarve (31%) no topo da lista. Em relação à intenção de viagem ao estrangeiro destaca-se Espanha, enquanto fora da Europa, as preferências vão para os EUA e outros países da América, sendo referidos destinos como México e Cuba. O sol e mar é a principal motivação de viagem nesta tipologia de férias, com a cultura e natureza a assumirem também um papel importante a este nível. As férias vão concentrar-se maioritariamente no mês de Agosto, seguindo-se o Julho e o Setembro.

Neste estudo, a maioria dos inquiridos afirmou também que, em 2017, pretende fazer short-breaks. A cultura e a natureza são as principais motivações para os períodos de férias curtos, aparecendo o sol e mar em quarto lugar, antes da gastronomia e vinhos e da saúde e bem-estar. Os inquiridos revelam que pretendem fazer 2 a 3 short-breaks em 2017, mais concentrados nos meses de Abril, Maio, Junho e Setembro.