Israel quer mais turistas portugueses

Presente na apresentação dos novos voos da companhia aérea Sun d’Or entre Israel e Portugal, esta segunda-feira em Lisboa, a directora do Turismo de Israel para Portugal e Espanha assegurou que o objectivo do turismo israelita é “aumentar a dois dígitos” o número de turistas portugueses.

Crescimento a dois dígitos é o que Dolores Pérez Frías, directora do Turismo de Israel para Espanha e Portugal, espera que aconteça com os turistas portugueses de visita a Israel. Um aumento que é o mesmo que a companhia aérea espera atingir em número de passageiros no Verão de 2018. “O aumento de voos é uma oportunidade para aumentar o número de turistas”, reconheceu Dolores Pérez Frías, afirmando que “queremos receber tantos turistas portugueses quanto possível”.

Para já têm sido mais os israelitas a demandar Portugal. “Os israelitas começaram a descobrir Portugal e gostaram” confessou Walter Wasercier, director-geral da EL AL para Espanha e Portugal. Mas o número de turistas portugueses também tem aumentado, prevendo-se que chegue aos 11 mil no final deste ano. Até ao final de Outubro somavam-se já 9.100, com este mesmo mês a ser protagonista de um aumento homólogo de 60% no número de turistas portugueses recebidos em solo israelita.

O turismo religioso continua a ser a principal motivação, mas Dolores Pérez espera que, com os novos voos, possa haver uma maior diversificação. É o que espera também Artur Sousa, director-geral da ATR que representa a Sun d’Or em Portugal, sublinhando que o maior número de frequências dará ao mercado português a possibilidade de, por exemplo, “escolher Telavive para city-breaks”.

Mostrar que Israel é muito mais que turismo religioso é tarefa que os responsáveis da companhia aérea e do Turismo de Israel prometeram que não vão descurar, sendo desde já apontados produtos como os circuitos no deserto, a gastronomia, o Mar Vermelho e mesmo o turismo GLBT, segundo Walter Wasercier.

As recentes questões políticas não afectaram para já o país turístico: “Não tivemos cancelamentos de grupos, apenas de alguns individuais”, asseguraram, com Dolores Frías a sublinhar a questão da segurança ao afirmar que “os turistas portugueses não terão problemas em Israel” e poderão mesmo “alugar um carro e partir à descoberta do país, das suas cidades, seja Telavive, Jerusalém, Haifa ou Eliat”, sublinhando a propósito que o “fly and drive” é um produto em que se pretende apostar.