Jardim Botânico do PN de Queluz vence prémio europeu

O projecto de reabilitação do Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz venceu o Prémio da Escolha do Público, do Prémio da União Europeia para o Património Cultural / Prémios Europa Nostra 2018.

Esta foi a primeira vez que Portugal venceu este galardão que representa o reconhecimento internacional de realizações notáveis no domínio da conservação e do património. Recorde-se que o mesmo projecto já conquistado o Prémio da União Europeia para o Património Cultural / Prémios Europa Nostra 2018, na categoria Conservação.

O galardão foi atribuído na passada sexta-feira, 22 de Junho, na Cerimónia dos Prémios Europeus do Património Cultural, que decorreu no Centro de Congressos de Berlim, no âmbito da primeira Cimeira Europeia do Património Cultural.

Na cerimónia foram distinguidos os 29 vencedores de 17 países do Prémio da União Europeia para o Património Cultural / Prémios Europa Nostra 2018, nas categorias conservação, investigação, serviço dedicado e educação, formação e sensibilização.

No total foram apresentadas 160 candidaturas por organizações e particulares de mais de 31 países europeus. Os prémios deste ano dão particular ênfase ao valor acrescentado gerado pelos projectos no âmbito do património, como forma de contribuição para o Ano Europeu do Património Cultural.

A recuperação do Jardim Botânico consistiu na reposição das quatro estufas, de acordo com a interpretação dos desenhos históricos, e contemplou ainda o restauro dos elementos pré-existentes, como balaustradas, alegretes e respectivos bancos e painéis azulejares, cantarias do lago central e estatuária, com vista à restituição do desenho oitocentista do Jardim. Foram também executados caminhos em saibro granítico.

“Este projecto foi bem-sucedido na redescoberta e recuperação de um jardim que se pensava perdido. Para isso recorreu-se a investigação arqueológica, à análise dos fragmentos restantes do jardim e da documentação existente”, sublinhou o júri do Prémio Europa Nostra.