Jorge Rebelo de Almeida: prioridade à venda das camas existentes

Não é contra a concorrência e deixou isso bem claro, considerando até que a competição é ?estimulante?, mas para o presidente do grupo Vila Galé, neste momento a grande prioridade que se põe está na venda das camas que já existem e continuam desocupadas. Jorge Rebelo de Almeida, que falava na conferência ?Estratégias de Internacionalização no Turismo: Oportunidades e desafios? promovida esta quarta-feira pela Católica Lisbon School of Business & Economics, avançou que, tendo a hotelaria portuguesa uma ocupação média nacional abaixo dos 50% ?há muitas camas para vender? pelo que a prioridade tem que ser vender as camas existentes, muito embora a competição seja ?óptima e estimulante? e não se deva, de forma nenhuma, limitar o investimento. Afirmando que Portugal tem ainda ?muito para crescer? embora com ?limites? para que o destino não se torne desinteressante, o empresário defendeu também que o produto sol e praia não pode ser esqueci em prol de outros porque foi, é, e continuará a ser, o principal produto do turismo português. Sobre a internacionalização das empresas, Jorge Rebelo de Almeida considerou tratar-se de uma opção que deve ser tomada apenas quando essas empresas estão consolidadas no país de origem e, no caso da hotelaria, visando destinos onde o mercado interno seja suficiente para garantir a operação porque ?um hotel não é algo que se possa transportar de um lado para o outro? se algo no destino correr mal. M.F.