Jornadas AHRESP: Associação quer baixa do IVA na restauração com efeitos imediatos

A redução da taxa de IVA que impende sobre os serviços de restauração e bebidas foi uma das conclusões das Jornadas AHRESP que ontem terminaram no em Lisboa. No encerramento, em que esteve presente o secretário de Estado do Turismo, o presidente da Associação, Mário Pereira Gonçalves afirmaria mesmo que ?é imperioso que a punitiva taxa do IVA sobre os serviços de Alimentação e Bebidas, baixe imediatamente para a taxa reduzida?. Num encontro em que os empresários presentes apelaram para que sejam tomadas rapidamente medidas que evitem o colapso iminente do sector e permitam ao Turismo desempenhar o papel que lhe cabe no desenvolvimento da economia nacional, Mário Pereira Gonçalves falou da excessiva carga fiscal que pesa sobre o sector, que o afecta, e que está a pôr em risco milhares de empresas e ainda mais empregos e que, ao mesmo tempo, está a levar à degradação da oferta e da qualidade do serviço prestado. É tempo de dizer ?Basta?, afirmou o presidente da AHRESP, que falou também dos elevados custos de contexto e das ?104 taxas? da mais diversa índole que têm que ser pagas pelos empresários do sector. Evitar o colapso de um sector já estrangulado é o que a AHRESP pretende com as suas exigências e, embora voltando a saudar a criação do grupo de trabalho interministerial que vai analisar o impacto da política fiscal no sector e que conta com a participação de representantes das associações, sublinhou que ?se antes de 31 de Julho, data exigida para a entrega das conclusões do Grupo de Trabalho? o Governo não implementar ?medidas urgentes de reabilitação da restauração?, será demasiado tarde para um sector tão fragilizado como este. Até porque isso implicaria que as medidas apenas iriam ser introduzidas em Janeiro do próximo ano e, segundo Mário Pereira Gonçalves, ?o sector não consegue esperar?. M.F.