Luís Veiga: Alterações no TP não devem provocar rupturas

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal considera “normal” as alterações ao nível da cúpula do Turismo de Portugal mas alerta que a situação não deve provocar rupturas na estratégia ou linha de comunicação.

À margem do almoço de associados da AHP do passado dia 17 e respondendo a uma questão então colocada pelo Turisver.com sobre as alterações no Turismo de Portugal, Luís Veiga considerou-as “normais” uma vez que “os políticos tendem a colocar nestes lugares que são claramente técnicos, pessoas de confiança e não podemos criticar este tipo de atitude”.

Não obstante sublinhou ser importante que não haja rupturas em termos de estratégia de promoção de Portugal. “Qualquer ruptura que haja motivada por um novo ciclo político, qualquer ruptura na estratégia ou na linha de comunicação pode criar ruído junto dos mercados e levar a que a marca Portugal se esbata mais uma vez”, afirmou.

O presidente da AHP disse ainda ser “necessário que haja algum cuidado – e ao que tudo indica esse cuidado está a ser tomado – para que não existam aqui rupturas que alterem substancialmente a estratégia de comunicação”.

Na sua opinião, acrescentou, “Portugal tem que se projectar como país de marcas, tem que se alicerçar em marcas muito fortes, e nós temos algumas, seja de pessoas físicas ou comerciais, e é no reforço dessa lógica que devemos ir”.