Luís Veiga faz balanço de mandato

Findo o mandato de três anos, Luís Veiga deixa a presidência da AHP – Associação da Hotelaria de Portugal. A decisão, dada a conhecer esta quarta-feira à imprensa à margem do almoço mensal de associados da AHP, tinha sido já anunciada pelo presidente à Comissão Executiva e ao Conselho Geral da Associação.

“Comuniquei há uns dias à Comissão Executiva e comuniquei já hoje ao Conselho Geral que não me ia recandidatar ao processo eleitoral que vai ter lugar no próximo dia 31 de Março”, disse Luís Veiga no encontro com a imprensa, adiantando que vai manter-se nos órgãos da Associação, em representação da hotelaria do Centro.

A decisão tomada tem a ver “com aquilo que eu penso do associativismo, com o facto de eu pensar que estas são responsabilidades efémeras, funções em que tem que haver rotatividade e os empresários devem abraçar, cada um durante três anos, esta responsabilidade que é a de ser presidente da maior associação de hotelaria nacional”.

Fazendo o balanço do seu mandato, referiu-se à legislação do alojamento local que “deve ser revista”, ao financiamento que “está já a ser trabalhado”, à formação profissional e ao PENT.

Sobre a vida interna da Associação, frisou que deixa uma AHP em crescimento: nos últimos três anos a AHP registou a adesão de 134 associados num aumento de 34% e este ano “já entraram 18” o que leva a perspectivar que no final do ano “possamos chegar aos 600 associados, o equivalente a 800 unidades hoteleiras”.

Apontando os congressos anuais como “momentos muito positivos” da sua presidência, Luís Veiga recordou ainda que durante estes três anos a AHP ganhou uma nova identidade corporativa, abriu uma delegação nos Açores, conseguiu o estatuto de Utilidade Pública e estabeleceu a ligação com a OMT e a CEHAT de Espanha.