Luiz da Gama Mór é Cidadão Honorário do Rio de Janeiro

Luiz da Gama Mór foi agraciado, no passado fim-de-semana, com o título de Cidadão Honorário do Rio de Janeiro. A cerimónia decorreu no Salão Nobre do Consulado de Portugal na cidade carioca e contou com a presença de mais de uma centena de personalidades da sociedade económica e política brasileira. De Portugal viajou uma pequena comitiva de que o Turisver.com foi convidado a fazer parte.

O título agora recebido ficou a dever-se aos serviços prestados pelo ex-vice-presidente da TAP em prol da cidade maravilhosa. Isso mesmo ficou patente na justificação dada na cerimónia realizada no Palácio de São Clemente, em que foi destacado que Luiz da Gama Mór “muito fez pela divulgação e promoção do destino turístico”.

Luiz da Gama Mór fez a sua carreira profissional no sector da aviação comercial, tendo passado pela Varig antes de ingressar na TAP onde, ao longo de 17 anos, exerceu várias funções, tendo deixado em Março último a vice-presidência da companhia. Continuando ligado à companhia depois dessa data, Luiz Mór rumou então ao Brasil para desempenhar as funções de Chief of Staff.

Sobre a importância do trabalho desenvolvido por Luiz da Gama Mór em prol do crescimento e desenvolvimento da TAP e o seu contributo para o estreitamente de relações entre Portugal e o Brasil, falou António Monteiro, ex-director de comunicação e relações públicas da empresa. António Monteiro, que acompanhou o percurso de Luiz Mór na TAP, sublinhou o facto de ele ter sido “uma das chaves de todo o processo que conduziu à situação actual nas relações Portugal-Brasil, e não só na aviação”, muito por via da aposta que a companhia fez nas rotas para o Brasil à partida do seu hub de Lisboa, uma estratégia em que Gama Mór foi parte fundamental.

Na sua intervenção, o homenageado, que vai deixar a TAP dentro de dias, sublinhou que “esta homenagem vem no momento em que encerro 45 anos de aviação”. Afirmando que “devo muito a muita gente”, citou a família, os colegas, os que lhe deram oportunidades, “em especial a Fernando Pinto”. Destacando ter tido “a oportunidade de trabalhar em actividades que adoro e em que me realizei” e onde “fui muito mais longe do que jamais sonhei”, reconheceu que “os últimos 17 anos, em Portugal, foram os melhores anos da minha vida”.

Sobre o futuro, Luiz Mór adiantou que o que muda a partir de agora é que o centro da sua vida deixa de ser o lado profissional. No novo ciclo em que se prepara para entrar e a que chama “ciclo dos afectos”, prometeu que irá ter mais tempo para a família e para viver mais os pequenos prazeres da vida.

*Leia a reportagem completa na edição de Janeiro da revista Turisver