Marca Travelers muda de mãos

A marca Travelers mudou de mãos ao ser adquirida por alguns accionistas do operador turístico EgoTravel. Passa a designar-se Travelers Operador Turístico SA, e tem como administrador Gonçalo Palma, que se mantém também como administrador da EgoTravel.

travelers-logotipo-horizontal

“Adquirimos o uso da marca ao seu detentor, Mohamed Fouad Khalil, criámos uma empresa nova, estamos a criar uma equipa nova e totalmente separada da EgoTravel”, anunciou o novo administrador, num encontro com jornalistas esta sexta-feira em Lisboa, que teve como objectivo dar a conhecer ao mercado a concretização deste negócio e o lançamento da nova estratégia das marcas.O cargo de director comercial do novo operador turístico passa a ser exercido por Ricardo Teles.

“Não é a compra da empresa. Nós não temos qualquer relação com a Sundaygrowing – Agência de Viagens e Turismo, Lda, que também pertence a Mohamed Fouad, ou com a Mania das Viagens que era a empresa que suportava a marca até ao início do ano. Surgiu-nos essa oportunidade e alguns accionistas que são comuns à Egotravel alinharam, outros não, e encontrámos outros. Em termos de estrutura accionista há muitos pontos comuns e eu sou um deles”, explicou Gonçalo Palma.

A nova empresa tem assim, “um novo número de contribuinte, uma nova estrutura, um logótipo ligeiramente diferente, e vai lançar um novo site na próxima semana” disse ainda o seu administrador.

A nova Travelers assume-se no mercado como “operados turístico maioritariamente charter que opera para os países do Norte de África”, disse Ricardo Teles.

“Não se constrói uma marca de um dia para o outro”, referiu Gonçalo Palma, para responder a uma questão colocada pelo turisver.com sobre a oportunidade de aquisição de uma marca “queimada” no mercado. “Pretendemos virar essa página. Se este ano a anterior Travelers transportou 3 mil pessoas significa que o mercado o vendeu”, para concluir que “é mais fácil recuperar uma marca mesmo com alguns problemas do que criar uma nova, sabendo, no entanto, que há questões a limar junto do canal de distribuição”.