Maria José Silva: “O Norte já merecia um congresso da APAVT”

Maria José Silva, CEO da RAVT depende que “O Norte já merecia um congresso da APAVT”, uma vez que nos últimos anos, as reuniões magnas dos agentes de viagens portugueses que tiveram lugar em território nacional, tiveram como palco o Algarve, o Alentejo e o Centro de Portugal.

A CEO da RAVT salienta que não se deve ir para a opção “nem 8 nem 88”. Por um lado, defende que “devemos apoiar as entidades regionais” promovendo os congressos em Portugal, até porque “são menos dias, menos custos, é mais perto, vai mais gente e a logística é mais barata”, mas por outro lado, a sua realização no estrangeiro “permite-nos ter contactos com novos parceiros, abrir portas, estimular o negócio e estreitar relações com o destino”. Ou seja “um ano o congresso devia ser em Portugal e o ano seguinte no estrangeiro, como forma de dar oportunidade às duas vertentes do turismo”, ou seja, o incoming e o outgoing.

Voltar a Macau é interessante para a CEO da RAVT porque “é um destino de grande qualidade, apelativo e pode servir como porta de entrada para outras zonas da Ásia”.

O que Maria José não concorda é que realizando-se em Portugal, as reuniões magnas dos agentes de viagens portugueses se concentrem quase sempre na mesma região. Neste caso referia explicitamente à Região Centro, que nos últimos anos foi palco de três congressos da APAVT (Viseu, Coimbra e Aveiro). “O Norte já merecia um congresso, mas também tem de haver um maior envolvimento da região”, disse a executiva.