memmo Príncipe Real inaugura com 93% de ocupação

Aberto desde Outubro em soft opening, o memmo Príncipe Real é já um caso de sucesso, com Rodrigo Machaz, director-geral da memmo Hotels a avançar que em Abril a unidade apresenta uma ocupação de 93%. A inauguração oficial do primeiro cinco estrelas da memmo Hotels aconteceu na passada quinta-feira, 20 de Abril, com um cocktail que contou com a presença da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, e do presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo.

    

Fruto de um investimento de oito milhões de euros, o novo hotel da memmo posiciona-se num segmento premium, que segundo Rodrigo Machaz, tem a ver com o carisma do próprio bairro do Príncipe Real que é “mais upscale”, e tem subjacente a ideia de “trazer para dentro do hotel a comunidade local e as pessoas de Lisboa” transformando-se num ponto de encontro entre lisboetas e turistas. “Lembro-me que em tempos os hotéis funcionavam como ponto de encontro e isso perdeu-se na hotelaria, com os hotéis a terem-se tomado, nos últimos anos, espaços algo desinteressantes. Aqui, o queremos é reavivar essa memória e essa prática”, considerou o director-geral da memmo Hotels. Por isso o hotel assume um posicionamento diferente: “Temos aqui um posicionamento de ter integrado neste hotel um restaurante virado para a comunidade local, o que fez com que nós pensássemos, de uma forma separada mas integrada, o hotel e o restaurante”, explicou.

A ideia de “trazer a movida de Lisboa e do bairro do Príncipe Real para dentro do hotel” tem recebido  “um feedback espectacular, não podíamos estar mais contentes”, afirmou-nos o director-geral da memmo Hotels. Como também não podiam estar mais satisfeitos com a ocupação e os preços: “Este mês estamos com 93% de ocupação com os preços médios que nós queríamos” e com algumas surpresas em termos de mercados já que “em Janeiro e Fevereiro o nosso principal mercado foi o brasileiro”.

Construir um hotel num bairro típico de Lisboa nunca é tarefa fácil mas para Rodrigo Machaz  “o desafio maior foi termos arriscado em não fazer mais do mesmo”. E explica: “o memmo Alfama é um conceito de sucesso mas nós nunca quisemos ter uma cadeia de hotéis, o que queremos é ter uma colecção de hotéis em que cada oferta seja diferente da outra. Por isso arriscámos num cinco estrelas e ter um cinco estrelas significa pôr os preços lá em cima e ter produto para isso”.

As perspectivas para este ano “são boas porque o turismo está bem” e “Lisboa nunca esteve num momento tão bom” mas há cuidados a ter: “Não podemos deixar que Lisboa vire um gueto turístico, é muito importante integrar as comunidades locais, criar novas centralidades e dosear a carga que a cidade aguenta”, alerta Rodrigo Machaz.