Mercados de longo curso vão crescer a dois dígitos para a Europa

A conclusão é do relatório da ForwardKeys que foi dado a conhecer esta quarta-feira na conferência do WTTC – World Travel & Tourism Council, que decorre em Bangkok. Segundo este relatório os mercados que deverão liderar o crescimento serão o americano e o russo.

Com base em dados das companhias aéreas, o documento avança que as reservas para a Europa estão a crescer 14% nas Américas, mas há outros mercados de longo curso a apresentarem também crescimentos significativos, caso do Brasil, com +24%, da Rússia com um aumento de 25%, Índia com uma subida de 8% e China com +4%.

Comentando o estudo, Tom Jenkins, CEO da ETOA – Associação Europeia dos Operadores Turísticos, citado em press release desta entidade, afirmou que a recuperação é uma boa notícia e que o forte crescimento das reservas para a Europa por parte destes mercados “é um sinal de que estamos a voltar à normalidade” e a assistir a “uma verdadeira resiliência no mercado”. Sublinhou igualmente que “os consumidores estão a derrotar o terror”, dado que atentados como os ocorridos o mês passado em Londres acabaram por não ter impacto negativo na confiança dos turistas.

Mesmo assim o CEO da ETOA alertou para uma série de variáveis a ter em conta quando se olha para o comportamento dos mercados, a começar pela política cambial. “As pessoas comprar com base no preço”, disse, para referir que actualmente as reservas estão a ser feitas com base num dólar forte, num euro mais fraco e numa libra que “está doente”, o que pode justificar o aumento de reservas dos consumidores americanos para destinos europeus.