Miguel Quintas apresentou programa e quer uma APAVT maior

Miguel Quintas apresentou esta quinta-feira, numa conferência de imprensa em Lisboa, o programa com que vai candidatar-se às eleições da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, um conjunto de 26 medidas com que a lista “A APAVT é de todos”, quer tirar a associação do “marasmo”.

A estrutura do programa assenta em quatro objectivos e vinte e seis medidas. O primeiro, que tem a mesma designação da candidatura, “A APAVT é de todos”, compreende seis medidas, entre as quais se destaca uma mudança estatutária que limite a presidência a dois mandatos de três anos. Segundo o candidato “esta alteração vai evitar que as pessoas se perpetuem no cargo”.

Outro ponto  é o de “conseguir trazer os agentes de viagens que hoje andam distantes da associação”, tendo o candidato referido a este propósito que “actualmente existem 3.500 RNAVT’s  e apenas cerca de 413 associados, tendo, nos últimos seis anos, a APAVT crescido apenas em mais 13 novos associados. Neste primeiro objectivo está ainda inscrita a “criação de um Fórum de debate”, uma participação activa nas posições e decisões da APAVT, e a reformulação do website da associação.

O segundo objectivo tem como tema “ Um novo impulso ao negócio”, com Miguel Quintas a defender que “temos capacidade de negociar novamente prazos de pagamento com a IATA, com as companhias de aviação, mas uma das nossas bandeiras é a redução do IVA”, em especial para as agências de incoming, porque, segundo o candidato, “não é justo um operador de incoming em Portugal ser menos competitivo que um operador de incoming em Espanha, apenas porque o IVA aqui é mais caro que no mercado espanhol”.

Ainda relativamente às agências de  incoming, a candidatura quer a reapreciação da contribuição para o fundo de garantia e tomar uma posição sobre o NDC (New Distribution Capability), para que as companhias aéreas não façam um ‘bypass’ às agências.

Outras das ideias que constam do programa e que visam impulsionar os negócios passam pelo apoio financeiro que possibilite aos agentes de viagens acederem a feiras, conferências e seminários nacionais e internacionais.

A “Valorização da profissão de agentes de viagens”, é o terceiro objectivo do programa, concentrando cinco medidas, onde se destaca a criação de um “Centro de estudos e de formação para novos colaboradores”,o que segundo Miguel Quintas passa pela criação “de um centro de formação física e online, onde as agências recebem o nosso contributo e onde as suas necessidades são supridas” e o “ desenvolvimento e promoção de estudos”.

O quarto objectivo tem como mote “ Potenciar as agências de viagens junto do consumidor final”, e a medida que surge como bandeira é a da “criação da Semana Nacional de Viagens / Feira das Viagens”, que segundo Miguel Quintas “ não é objectivo concorrer com outros associados, é com o objectivo de que todos participem”, a mesma posição é defendida pelo candidato nomeadamente quanto à criação de uma “ Plataforma de vendas online para clientes finais”, uma das mediadas do  programa. Programa completo no site da candidatura.