Minor Hotel Group quer tornar Tivoli marca global em cinco anos

O Minor Hotel Group que acaba de adquirir a cadeia Tivoli Hotels & Resorts por cerca de 300 milhões de euros, quer fazer da Tivoli uma “marca global” em cinco anos, afirmou esta terça-feira o CEO do grupo Dilip Rajakarier que avançou também que o grupo tailandês está aberto a novos investimentos em Portugal.

África, nomeadamente Moçambique onde o grupo tailandês tem já um resort na ilha de Moçambique, e Ásia, são duas regiões para onde o Minor Hotel Group tenciona levar a marca Tivoli. “A Tivoli é uma das melhores marcas hoteleiras do mundo”, afirmou o CEO da Minor que por isso considerou tratar-se de “uma boa marca para a Ásia e África”, não tendo também descurado a possibilidade de o grupo levar a chancela Tivoli até ao Médio Oriente.

“Queremos fazer da Tivoli uma marca global em cinco anos”, afirmou o presidente executivo do grupo tailandês que ao falar esta terça-feira no Hotel Tivoli Lisboa na apresentação do grupo à imprensa e ao sector, deixou claro que “em cinco anos a forma e o tamanho da marca Tivoli será muito diferente” da hoje assume.

A aquisição, completada segunda-feira, do portfólio da Tivoli Hotels & Resorts numa operação que ascendeu a 294,2 milhões de euros, é a “porta de entrada na Europa e na América Latina” da Minor, grupo que detém 145 hotéis de seis marcas em 22 países e que entrou na Europa através da aquisição da rede Tivoli.

Recorde-se que a venda da cadeia Tivoli à Minor tinha sido decidida antes do colapso do Grupo Espírito Santo que viria a inviabilizar a operação. O grupo tailandês não desistiu e a sua perseverança foi elogiada esta terça-feira pelo ministro da Economia, presente também na apresentação da Minor.

“Fomos persistentes” afirmou Dilip Rajakarier, avançando que a Minor está aberta a fazer novos investimentos em Portugal porque “a marca tem valor” e “Portugal é um dos melhores países para investir em hotelaria”, pela qualidade da oferta e pelo crescimento turístico.

Para já o grupo está a investir na remodelação de três hotéis em Portugal, mas mais se seguirão, com o grupo a prever que o investimento no nosso país possa ascender, no curto prazo, a 50 milhões de euros.