“Movimentação de reservas antecipadas para Cuba tem sido enorme”, diz José Manuel Antunes

A dois meses do início da operação, a primeira partida para Varadero está esgotada, reflectindo a grande movimentação de reservas antecipadas para o destino, sublinhou esta quinta-feira José Manuel Antunes, director-geral da Sonhando, no workshop sobre Cuba, em Lisboa. Um workshop que juntou os parceiros Sonhando, Solférias e iTravel, e que aconteceu também no Porto e em Coimbra.

Workshop_Cuba1Workshop_Cuba2Workshop_Cuba3

Os três workshops sobre Cuba realizados pelos operadores Sonhando, Solférias e iTravel, no Porto, em Coimbra e em Lisboa, que “tiveram um êxito assinalável”, foram palco para a divulgação da oferta dos operadores e seus parceiros no destino, nomeadamente da área hoteleira, mas também para que fosse sublinhada a necessidade de haver antecipação nas reservas, algo que, segundo José Manuel Antunes, assume uma importância cada vez maior. Tanto assim que, face ao ano passado, pela mesma altura, o número de reservas existente neste momento, quer para Cayo Coco como para Varadero, é exponencialmente superior.

O ano passado “em vésperas do Mundo Abreu, o conjunto dos operadores tinha 32 reservas para Cayo Coco e Varadero” enquanto este ano, três dias antes deste evento “já tínhamos mais de 400, o que é uma diferença abissal”, acrescentou José Manuel Antunes, salientando que “o grande salto” irá verificar-se durante o fim-de-semana do Mundo Abreu.

O director-geral da Sonhando adiantou mesmo que “para a partida de 4 de Junho já não há lugares, e estamos ainda a dois meses do início da operação”.

A tónica das reservas antecipadas foi igualmente sublinhada por Nuno Mateus, director-geral da Solférias, e Mateus Silva, director-geral da iTravel, lembrando que este ano o destino Cuba está a ser muito pressionado pelas reservas de outros mercados.

Pese embora a pressão exercida por outros mercados sobre o destino Cuba, nomeadamente no que se refere ao mercado norte-americano, os portugueses vão poder continuar a fazer planos para irem a Cuba onde, segundo José Manuel Antunes, a Sonhando “continua a ter uma posição relativamente forte e estável”. Uma posição que lhe permitiu renovar, a 6 de Março na ITB, o contrato com o grupo cubano Gaviota que garante a continuidade da operação charter para Cayo Coco em 2017.

Presente no workshop em Lisboa, a embaixadora de Cuba, Johana Tablada, sublinhou o número crescente de portugueses que tem visitado Cuba nos últimos anos, muito por “culpa” da operação charter, primeiro para Cayo Coco, depois também para Varadero, que os operadores Sonhando, Solférias e iTravel colocaram no mercado. E deixou uma garantia: “Cuba não acaba, como não acaba Portugal, porque somos uma cultura forte”.