MTS recomenda aos hotéis maior equilíbrio preço-qualidade

Raquel Oliveira, directora geral da MTS Portugal, recomenda aos hoteleiros do país um maior equilíbrio entre o preço e a qualidade, declarando que “2016 vai acabar como o melhor dos últimos 10 anos” porque “estamos com uma procura ‘anormal’ e a beneficiar dos problemas dos outros. Mas até quando?”.

A responsável partilhou estas preocupações, num encontro, esta quinta-feira, em Lisboa, com hoteleiros e fornecedores destinado a apresentar o Grupo MTS Globe e as suas expectativas e desafios na região de Lisboa.

Para a directora geral da MTS no país, apesar de Portugal manter uma taxa de fidelização muito alta, é preciso “já que temos cá os turistas, fazê-los voltar. É importante que os hoteleiros subam os preços, mas se as tarifas não forem acompanhadas com o nível de serviço, esses clientes não vão voltar”, realçando que, se as perspectivas para este e o próximo ano não poderiam ser melhores, o mesmo pode não acontecer em 2018.

Raquel Oliveira defendeu que “quando a oferta se reequilibrar lá fora, o cliente não vai voltar”, lembrando que após a primeira bomba que matou os turistas na Turquia a procura do destino baixou 50%, mas neste momento está a apenas menos 2%. Por outro lado, a Grécia já retomou o crescimento, o mesmo a acontecer em relação a Paris. Por isso acautelou os hoteleiros, considerando que é necessário “ganhar dinheiro sim, mas com equilíbrio, para não colocar o futuro em risco”.

Durante o encontro, a responsável sublinhou que “devemos proteger a tour operação”, indicando que muitas vezes, apesar da disponibilidade aérea, não estão a conseguir vender ou porque o preço é alto ou porque os hotéis estão cheios. Raquel Oliveira especificou que só este ano e face a 2015, apesar do grupo ter 151 hotéis integrados em Portugal, a MTS teve mais 2400 stop sales.