Norwegian Cruise Line espera entrega de sete navios até 2025

A Norwegian Cruise Line apresentou à imprensa, esta segunda-feira, em Lisboa, algumas das suas novidades, como a encomenda de sete navios a ser entregues nos próximos oito anos, a evolução do programa The Norwegian Edge e a apresentação de novas rotas e portos para 2017, como é o caso de Cuba.

“Catorze navios para nós não é suficiente”, começa por dizer Christian Boll, director da EMEA. A companhia de cruzeiros tem três novos navios, da classe Breakaway Plus, a ser entregues até 2019, incluindo o Norwegian Joy já no final do próximo mês de Abril e o Norwegian Bliss a chegar às águas em Abril de 2018. O primeiro foi desenhado para o mercado chinês e o segundo para navegar os mares do Alasca. A adicionar a estes, a Norwegian Cruise Line tem mais quatro navios encomendados, a ser entregues entre 2022 e 2025, que vão formar uma nova classe superior, cada uma deles com capacidade para cerca de 3.300 passageiros.

A nível de rotas, a Norwegian Cruise Line apresenta a novidade de Cuba, com 26 cruzeiros a partir de Maio de 2017, sempre com pernoita em Havana. Diversos cruzeiros vão, também, partir de sete portos nos Estados Unidos da América e Porto Rico com passagem marcada em Harvest Caye, o novo resort da NCL, que serve de ponto de partida para conhecer o Belize. Por seu lado, o Norwegian Jewel tem como ponto de partida Sydney, dando a hipótese de conhecer a Austrália e a Nova Zelândia, a partir de Novembro deste ano. 2017 é ainda o ano que vê, pela primeira vez, cinco navios da NCL  a navegar os mares da Europa, com a ajuda do Norwegian Jade, com partidas de Southampton e Hamburgo.

A companhia de cruzeiros, que celebrou recentemente o seu 50º aniversário, viu em 2016 as receitas a crescer 12,2% para os 4.9 mil milhões de dólares americanos. Ano em que investiu 400 milhões de dólares no programa The Norwegian Edge, que se centra numa completa modernização de oito navios da frota NCL até 2018, uma nova experiência gastronómica em modo Freestyle Dining, o reforço do desenvolvimento da ilha privada Great Stirrup Cay, nas Bahamas, e a abertura do resort Harvest Caye, no Belize.

“Upgrade” é o termo que Christian Boll usa para a modernização da frota, ao invés de “renovação”. O investimento vem reforçar o conceito de “Fell Free” da companhia de cruzeiros, que aposta na flexibilidade, dando a hipótese ao cliente de desenhar a sua própria experiência no navio. Para Christian Boll os navios “são uma espécie de resort flutuante. Tudo aquilo que deseja fazer, pode fazer”.