Novo Terminal de Cruzeiros de Lisboa vai mudar panorama do turismo de cruzeiros em Portugal

O novo Terminal vai trazer à capital e ao país, novos trunfos na capacidade de atracção do turismo de cruzeiros, segmento em que Portugal tem enorme potencial, sublinhou esta sexta-feira o primeiro-ministro, António Costa, na cerimónia de inauguração. Já o presidente da CML, Fernando Medina sublinhou que a nova infra-estrutura “permite-nos ambicionar uma mudança naquilo que é o papel de Lisboa no turismo de cruzeiros”.

O turismo, sublinhou António Costa ainda “tem muito para dar” à economia e ao país, graças à “capacidade que Portugal tem em matéria de atractividade turística”. Daí que seja importante apostar na diversificação dos atractivos, diversificando a oferta “de forma a garantir que o turismo não é uma actividade sazonal, onde oferece só sol e praia, mas, pelo contrário, tem uma oferta que permite ocupar e gerar riqueza 365 dias por ano”. É nesta diversificação que entra o turismo de cruzeiros, “um segmento da actividade turística com um enorme potencial de crescimento” em Portugal.

No que ao turismo de cruzeiros se refere, Portugal, enquanto “ponto de encontro das rotas do Atlântico e das rotas do Mediterrâneo, do Atlântico Sul e do Atlântico Norte, tem condições únicas do ponto de vista geoestratégico para ser uma área de franco crescimento” afirmou o primeiro-ministro.

Já o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, sublinhou que o Novo Terminal de Cruzeiros “vai-nos permitir crescer mais no sector do turismo” dotando a cidade de “uma infra-estrutura capaz de oferecer melhor turismo na cidade de Lisboa”. Por outro lado, vai também “reforçar a base económica da cidade e da região” porque com este investimento não só seremos capazes de receber mais visitantes” mas fundamentalmente porque a concretização deste projecto “permite-nos ambicionar uma mudança naquilo que é o papel de Lisboa no turismo de cruzeiros”. Uma ambição que passa por Lisboa “não ser só um porto de acostagem, mas também de estadia mais prolongada e um porto de partida, aumentando imensamente os benefícios económicos para a cidade de Lisboa e para a região”.

*Leia a reportagem completa na próxima edição da revista Turisver