Nuno Barjona: Europcar teve “um excelente ano” em Portugal

O ano de 2017 foi “um excelente ano” para a Europcar em Portugal que, à semelhança dos anos anteriores, voltou a crescer, afirmou esta terça-feira Nuno Barjona, Head of New Mobility & Marketing, no já habitual almoço de ano novo com a imprensa. O turismo esteve na base dos bons resultados da empresa, mas “a área das empresas também cresceu”.

No encontro com a imprensa, Nuno Barjona deixou claro que “2017 foi um excelente ano para a Europcar em Portugal”, que voltou a ver crescer os seus principais indicadores. Esta situação está, disse, intrinsecamente ligada ao facto de 2017 ter voltado a ser, para Portugal, um excelente ano turístico. “O turismo em Portugal tem vindo a crescer ano após ano” e 2017 não fugiu à regra, tendo sido “mais um ano de excelente crescimento”, o que se reflectiu nas contas da empresa, embora não haja ainda dados finais.

Ao bom comportamento da área do turismo, juntou-se o ano passado também a área das empresas que “felizmente também cresceu em 2017”, avançou Nuno Barjona, acrescentando: “sentimos um crescimento muito significativo nas empresas que era uma área em que os aumentos eram muito pequenos, enquanto em 2017 teve um crescimento muito bom”.

A actividade da rent-a-car registou, em 2017, um crescimento global de 11,6% em dias de aluguer, com o direct to brand (clientes directos) a aumentar 13,4% e a actividade dos veículos comerciais a subir 9,1%. No segmento da “nova mobilidade”, há a registar o aumento de 112% no volume de negócios resultante do aluguer de scooters e bicicletas, enquanto o Chauffeur Service cresceu 317%.

Para 2018, disse o responsável, “esperamos também um ano muito bom nos dois segmentos”, ou seja, “tanto na área do turismo como das empresas”. Face a isso, a Europcar vai “continuar os investimentos”, também nas duas áreas. Sem querer levantar o véu sobre quais vão ser, na realidade, os novos investimentos, o Head of New Mobility & Marketing da Europcar avançou que em breve serão desvendadas algumas novidades, nomeadamente “na área da mobilidade na cidade de Lisboa”.