Olimar apresentou catálogo “Portugal 2013”

Um dia depois da apresentação no Algarve, o operador turístico alemão Olimar apresentou sexta-feira, em Lisboa, a sua brochura “Portugal 2013”. Num evento que contou com a presença de dezenas de hoteleiros entre outros parceiros (caso da Europcar, rent-a-car em que assentam os programas de fly & drive propostos na brochura), o operador turístico alemão Olimar deu a conhecer a brochura “Portugal 2013”, um catálogo de 268 páginas onde se insere toda a sua oferta para o nosso país e também para Cabo Verde. Como explicou Oliver Zahn, CEO da Portimar/Olimar, o catálogo tem uma tiragem de 300 mil exemplares, sendo distribuído “em cerca de 9.000 agências de viagens, na Alemanha e nos países de língua alemã”. Sublinhou igualmente que, além do catálogo agora apresentado, o operador tem ainda um outro referente à Madeira, bem como catálogos especiais de golfe. Além disso, o operador edita também outras brochuras dedicadas a Espanha e Itália, apresentando no último a Croácia e o Montenegro como novos destinos. Tudo somado, “produzimos cerca de 800 mil catálogos por ano”, isto numa época em que os catálogos começam a cair em desuso. Mas o responsável explica que “o cliente quer catálogos” e o consumidor alemão sente mais segurança numa oferta que está num catálogo do que na internet. Por isso afirma: “Pelo menos nos próximos 10 anos o catálogo mostra-se indispensável”. Mas não é só o consumidor alemão que prefere os catálogos, os agentes de viagens também por se tratar de “uma boa forma de fornecer informações claras” pelo que “nos últimos anos, na Alemanha, o número de catálogos lançado no mercado aumentou”. Se o mercado quer, os operadores fazem, a Olimar também porque, como afirmou o CEO da Olimar “80% da nossa facturação é gerada pelas agências de viagens”. Mesmo assim, como diria depois Markus Zahn, CMO da Olimar os operadores turísticos têm que “usar todos os canais de distribuição” porque o consumidor alemão, tal como os agentes de viagens, “usa muito a Internet para informações”. M.F.