Opinião: “Web Summit e o Turismo – a outra face da moeda”, por João Pronto*

É incontornável as múltiplas análises ao Evento Web Summit e ao impacto que teve e terá no turismo nacional. É um facto que, com toda a certeza, os indicadores de Room Nights, tarifas médias, taxa de ocupação de transportes, incrementos de preços médios, etc., etc., etc., serão uma realidade que importa quantificar pelos analistas avalizados… o que não é, de todo, a minha praia!

No entanto, temos também que analisar as propostas tecnológicas concretas apresentadas pelas “mais que muitas” startups que se apresentaram no Web Summit, e pelo menos tentar perceber, como é que as soluções tecnológicas apresentadas podem ser aplicadas e úteis ao setor turístico nacional, com três desígnios: 1) incrementar a qualidade do serviço prestado aos turistas que visitam Portugal; 2) reduzir os custos operacionais; 3) maximizar a margem de lucro das empresas turísticas nacionais.

Percorrendo a página oficial Web Summit, foi demasiado rápido, e ainda bem! encontrar startups que já conhecia no meu trabalho diário, e com as quais tenho interagido com frequência, em diferentes empresas turísticas, onde habitualmente colaboro. Temos empresas, também nacionais, que conseguem melhorar a qualidade do serviço prestado pelas empresas turísticas, recorrendo à tecnologia como ferramenta potenciadora da qualidade do serviço prestado pelos excelente profissionais que formamos em Portugal e no Mundo!

Tenho a sorte de pertencer a esta tribo de Geeks que têm provocado mudanças profundas no nosso quotidiano de trabalho e de lazer.

Tenho também a sorte de pertencer ao restrito clube de pessoas que ajudam a formar os excelentes profissionais de turismo espalhados literalmente pelos quatro cantos do mundo.

Com tamanha sorte, o mínimo que posso e devo fazer, é divulgar, nas aulas e nestes artigos, as fabulosas tecnologias que nós, os Geeks tentamos criar, e tentar aplicar na operação diária, quer seja das agencias de viagens, das companhias aéreas, dos centros de congressos, nos restaurantes, cafés e similares, mas fundamentalmente nos hotéis, onde normalmente melhor consigo aplicar esta forma de estar… mais tecnológica, mas sempre com o enfoque na qualidade do serviço prestado!

Na página https://websummit.net/featured-startups encontramos empresas que nos possibilitam incrementar a qualidade do serviço prestado aos nossos clientes turísticos, por exemplo, através de APP que facilitam a otimização da qualidade do checkin, permitindo, antes do hóspede chegar, a personalização da experiência hoteleira, através do preenchimento de um pré-checkin eletrónico, se o hóspede assim o desejar, claro está! Este raciocínio, pode e deve ser explorado…

A tecnologia não deve ser inibidora de uma prestação de serviços presenciais, mas sim uma alternativa para quem pretenda recorrer destes serviços mais tecnológicos, e como sabemos, há cada vez mais Geeks neste nosso mundo contemporâneo… vivenciamos tempos em que é difícil discernir um Geek de um… Millennial… as minhas lindíssimas filhas que o digam…

Nesta mesma página https://websummit.net/featured-startups conseguimos encontrar empresas que nos possibilitam, através da tecnologia, otimizar efetivamente consumos energéticos das nossas empresas turísticas, através de sensores e de algoritmos mais ou menos inteligentes (admito que não resisti em colocar a string inteligente sem ser em itálico) pois a década da Inteligência Artificial, vai finalmente chegar, não vai caríssimo Professor Ernesto Costa?

Para concluir este artigo dedicado à tecnologia que podemos dispor nas empresas e organizações turísticas, na página https://websummit.net/featured-startups temos startups que nos auxiliam a decidir até que valor é que determinado potencial turista está disposto a despender pelo nosso serviço turístico sem que tenha a tentação de nos abandonar a favor da nossa concorrência (mais ou menos) percebida. Escrito de outra forma: que valor é que um eLooker está disposto a pagar para se tornar um eBooker pelo serviço prestado pela nossa empresa…

A tecnologia apresentada na Web Summit faz bem à saúde das nossas empresas e organismos turísticos!

 

*João Pronto
Professor Adjunto da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril
Professor Convidado da Católica Porto Business School
Consultor de IT em Empresas Turísticas