Panazorica encara 2013 com “algum receio”

Depois de um ano de 2012 que se pautou por um decréscimo na facturação, ainda que “dentro do expectável”, a Panazorica, agência de viagens e DMC com sede nos Açores, diz olhar para 2013 com “algum receio”, até porque se esperam mais quebras por parte do mercado nacional que nem os mercados estrangeiros devem conseguir compensar, disse ao Turisver.com Horácio Franco, director-geral da empresa. “No ano de 2012, obviamente que tivemos algum decréscimo de facturação, dentro daquilo que era expectável, não fugimos à normal dificuldade que as empresas vivem e que no turismo se traduz pela baixa de clientes”, começou por afirmar Horácio Franco, que atribui grande parte da culpa pela situação que se vive nos Açores ao preço do transporte aéreo. “Os Açores são uma região muito bonita e muito apetecível mas, infelizmente, são um destino caro devido à política de acessibilidades”, justificou, defendendo que, numa altura de crise como a que o país atravessa, os clientes nacionais vão optar por destinos mais económicos, uma vez que o principal factor de decisão é, actualmente, o preço. “Tendo em conta a situação económica do país, não prevejo nada de bom, uma vez que a acessibilidade é dispendiosa e as pessoas têm muitas limitações nas suas opções de férias. Se existem outros destinos concorrentes dos Açores com preços mais baixos, a opção é imediata porque hoje interessa mais o preço”, explicou. “Se tivermos preços mais concorrenciais [fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][no transporte aéreo], efectivamente, mesmo com a crise, vamos ter mais turistas nos Açores”, considerou o responsável, apontando este como o grande problema do turismo no arquipélago. Neste sentido, as previsões para 2013 não são positivas, até porque, considerou Horácio Franco, “o turismo nacional vai cair ainda mais”e “nem os mercados externos serão capazes de repor a falta do mercado nacional”, uma vez que “a crise é transversal e estes países também não se encontram numa boa situação”. A prioridade, diz Horário Franco, deve continuar a ser o mercado nacional, até porque se têm cometido muitos erros a nível da promoção internacional, que carece de objectividade, ainda que defenda que a promoção em mercados como o alemão e holandês, bem como nos EUA e Canadá se deve manter, uma vez que estes mercados continuam a apresentar crescimento. I.M.[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]