Pavilhão Carlos Lopes: Um venue único na cidade

Pela sua localização, paredes meias com o Parque Eduardo VII, pelo edifício icónico orlado de estatuária e onde pontificam belíssimos painéis de azulejos, pelas condições de que agora foi dotado o seu interior que lhe conferem os necessários requisitos para receber qualquer tipo de eventos, o Pavilhão Carlos Lopes será, a partir de sábado, um venue único na cidade.

A partir de 18 de Fevereiro, Lisboa ter no Pavilhão Carlos Lopes um venue único, capaz de albergar os mais variados tipos de eventos. Ao todo, o Pavilhão conta agora com sete espaços diferenciados para eventos, qualquer deles podendo ser utilizado separadamente ou em conjunto: 5 foyers, um Salão Nobre, no piso superior, uma sala de eventos e ainda várias salas de apoio e outros espaços. Tudo isto “sem concorrer directamente com qualquer outro venue da cidade, dada a sua capacidade”, explicou Vítor Costa ao Turisver.com durante a visita que realizámos ao Pavilhão.

A sala de eventos, espalha-se por uma área de 2.000 metros quadrados, estando equipada com todas as infra-estruturas necessárias para receber os mais variados tipos de eventos, desde provas desportivas (podem ser montadas bancadas e colocados pavimentos apropriados por cima do que está colocado, que “é dos mais resistentes que há”) a jantares, exposições e até apresentações de automóveis, por exemplo, dado ter ligação directa ao exterior. O espaço foi totalmente “modernizado, mantendo a fachada” e tendo-lhe sido introduzidas “condições de segurança, de acesso a deficientes, de ar condicionado, copa e várias salas de apoio e até cabines para árbitros, se for caso disso ” além de “um palco e condições técnicas para suspensões”, como vai acontecer no dia da inauguração. Quanto a congressos, o espaço “tem todas as condições, tudo está preparado para isso, mas cada organizador terá depois que organizar o espaço como entender.

Espaço verdadeiramente icónico do Pavilhão Carlos Lopes é o seu Salão Nobre que se abre sobre o Parque Eduardo VII, através de uma varanda. O Salão, como outras salas do novo venue de Lisboa, dispõe de uma área de 200 m2, mas o que o torna diferente, para além da vista que dali se admira, são os seus azulejos, o tecto em estuque trabalhado e até uma artística “porta falsa”. Existe ainda um átrio central com 180m2, revestido a azulejos, dois foyers com 280m2, salas de apoio e copa com 113m2.

Estando desde o início prevista a sua exploração comercial, a partir de agora o Pavilhão está aberto a reservas, com Vítor Costa a adiantar que os preços vão estar “dentro daquilo que é usual no mercado”.

Pelas características do espaço, a adesão deverá ser grande e a promoção do espaço está já a ser feita junto dos organizadores de eventos. Tanto assim que esta quinta-feira, quando visitámos o Pavilhão, decorria uma visita de associados da APECATE – Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística E Eventos, potenciais utilizadores do espaço.

À cidade fazia já falta um espaço como este já que, segundo o director-geral do Turismo de Lisboa “há muita procura, especialmente de espaços diferentes” pelo que o Pavilhão Carlos Lopes vem “enriquecer a oferta da cidade”.