Pedro Costa Ferreira: Rodolfo Faustino fez um trabalho “absolutamente notável” 

Rodolfo Faustino deixou esta quarta-feira o cargo de Coordenador do Turismo de Macau em Portugal que ocupou ao longo de quase 18 anos, sempre com uma grande aproximação ao trade. Para trás deixa um importante legado no  relacionamento com o sector da distribuição  e um trabalho que o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, define como “absolutamente notável” e que por isso “ficará na história”.

Para Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), a saída de Rodolfo Faustino de coordenador do Turismo de Macau em Portugal “é certamente uma perda” e por vários motivos. Desde logo porque, como sublinhou em declarações ao Turisver.com, “o Rodolfo era, e é, um profundo conhecedor de Macau enquanto destino turístico e era, e é, um profundo conhecedor da capacidade que as agências de viagens portuguesas têm para vender lazer de longo curso em Portugal, nomeadamente na zona geográfica em que Macau se integra”.

O profundo conhecimento que tem destas duas áreas permitiram a Rodolfo Faustino, segundo Pedro Costa Ferreira, realizar, ao longo de vários anos “um trabalho absolutamente notável que ficará na história”, um trabalho que fez a diferença também por ter sido realizado por “uma pessoa que gosta muito de Macau e muito de Portugal” e que “gosta muito de pessoas, e o turismo são pessoas”.

Somadas estas razões, o presidente da APAVT considera que a saída de Rodolfo Faustino “é uma perda para todos nós, mercado distribuidor, é uma perda para Macau”, sublinhando que na sua memória fica o facto de “ao longo de todos estes anos ter trabalhado com um senhor: um senhor em gentileza, educação, honestidades, bom trato, profissionalismo”. Por tudo isto assume: “no final tenho apenas uma certeza, a de que vai permanecer o permanecer o grande amigo”.

Para Pedro Costa Ferreira, a boa relação de Rodolfo Faustino com a APAVT é a expressão da “relação especial” que sempre teve com os agentes de viagens e não o contrário, considera no entanto que “provavelmente esta direcção da APAVT soube apreender esse facto e dele tirar partido, no bom sentido”. Disso resultou um trabalho conjunto fértil em que “conseguimos fazer coisas novas e outras que sendo repetidas ficaram mais fortes”, assume Costa Ferreira, sublinhando que “Macau foi o primeiro destino preferido da APAVT” e que aquele território foi também palco do congresso da APAVT 2017 que “ficará memorável, sobretudo pela adesão”, algo em que acima de tudo valoriza o trabalho e o empenho do coordenador do Turismo de Macau em Portugal.

Como irá ser o relacionamento futuro com o Turismo de Macau é por enquanto uma incerteza mas o presidente da APAVT considera que o trabalho feito por Rodolfo Faustino ao longo dos anos é uma “herança” de peso que deverá ter continuidade até porque a facilita. “Pela importância de Macau e pelo relacionamento já atingido, é óbvio que pela nossa parte queremos continuar”, assume Pedro Costa Ferreira que acredita haver vontade para isso dos dois lados “assim haja também capacidade de realização, nossa e de Macau”.