Plano de Combate à sazonalidade no Algarve visa recuperar até 100 mil dormidas este Inverno

Apresentado ontem em Albufeira, o Plano do Turismo de Portugal para combater a sazonalidade no Algarve tem como objectivo recuperar até 100 mil dormidas já durante a próxima época de Inverno, através do reforço da capacidade aérea. Nos últimos seis anos, concretamente entre 2006 e 2012 o Algarve perdeu 460 mil dormidas e cerca de 60 mil passageiros durante o Inverno. O que se pretende agora fazer através deste Plano de Combate à Sazonalidade na região é recuperar 25% das dormidas e 1/3 da capacidade aérea perdidas, já entre Novembro deste ano e Março de 2014. Para isso serão reforçadas as ligações à partida de quatro mercados prioritários, nomeadamente, Alemanha, Escandinávia, Irlanda e Polónia, sendo introduzidos novo voos e aumentada a capacidade das companhias aéreas e dos operadores envolvidos (TUI, Air Berlin, Aer Lingus, Norwegian, Itaka e Rainbow Tours). O esforço resulta do apoio do Turismo de Portugal às campanhas de marketing do destino junto daqueles mercados, e o apoio às operações aéreas já confirmadas contou com um investimento de cerca de 400 mil euros. De acordo com o secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, ?ao deslocar recursos de áreas não prioritárias como o apoio a eventos para o esforço de comercialização do destino, esta iniciativa do Turismo de Portugal reforçará as condições de sustentabilidade do turismo algarvio fora da época de verão. No entanto, para essa sustentabilidade se concretizar será crucial que os operadores privados consigam acolher e fidelizar estes novos fluxos de turistas. Essa é uma função que o Estado nunca poderá desempenhar?. Já Luís Matoso, administrador do Turismo de Portugal, sublinha que ?esta é a primeira vez que se coloca em prática um plano desta envergadura, por iniciativa do Turismo de Portugal, que vai ao encontro das necessidades extraordinárias vividas por este sector na região. A recuperação, só num ano, de 25 por cento das dormidas perdidas nos últimos seis anos é demonstrativa da importância e dos efeitos deste plano. Além disso, existem outros projectos ainda em negociação, podendo este resultado ser superior?. M.F.