Porto de Sines pode virar produto turístico

Esta uma das ideias deixadas num dos painéis da conferência “O Alentejo também é fish”, realizada esta segunda-feira em Odemira, no âmbito do Festival das Gastronomias Mediterrânicas, organizado pelo Turismo do Alentejo e Ribatejo. O aproveitamento do porto de Sines como produto turístico, vocacionado para o turismo industrial que começa a estar em voga, foi uma das temáticas analisadas no painel “Turismo e o Mar: dinâmicas de desenvolvimento do Alentejo” em que se pretendeu analisar o papel do mar como desígnio para o desenvolvimento nacional e regional do país, bem como os novos factores de dimensão e procura no que toca ao Alentejo. Neste painel, moderado pelo director da Turisver, o CEO do Porto de Sines, João Franco, sublinharia o facto de esta infra-estrutura ter aberto as suas portas a visitas turísticas, no âmbito do turismo industrial, no Dia do Porto, que decorre a 19 de Junho. Mais do que isso, o Porto de Sines começa também a abrir-se à comunidade, proporcionando visitas organizadas de escolas, não apenas aos terminais, mas a todos os serviços, nomeadamente instalações de controlo de navios e mesmo zonas de segurança. Por outro lado, e desde há quatro meses, o Porto de Sines vem também organizando serões, nomeadamente culturais, para isso convidando algumas personalidades da vida pública portuguesa. Poderá este ser um produto turístico novo e a explorar? O presidente do Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva, acredita que sim, muito embora tenha alertado: “um produto turístico só existe quando está no mercado, de contrário não passa de um recurso ou de uma actividade interessante”. Mesmo assim, foi peremptório: “Sines, sem dúvida. Vamos ter que trabalhar em conjunto porque estamos perante um grande potencial que tem que ser aproveitado”, retirando ao Porto de Sines a imagem negativa que normalmente se tem das áreas portuárias e “aproveitando o seu potencial na vertente do turismo industrial, e vamos fazê-lo”. J.L.E.